sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Cedro de S. José. O seu fim ?

A história de um cedro que o vento levou

O "cedro de São José", na verdade um cipreste que é parte da história da mata do Buçaco, resistiu a tudo até durante mais de 300 anos. O mau tempo de sábado deixou-o à beira do fim.
As árvores morrem de pé !


Os últimos dias têm sido de uma grande agitação, e tudo por causa do mau tempo deste fim-de-semana. Pela mata do Buçaco, no Centro do país, andam dezenas de pessoas atarefadas a tentar resolver os estragos causados. Preocupam-se com milhares de árvores derrubadas, mas com uma em especial. É o centenário cedro do Buçaco que mais os comove, e isto porque se agarra a uma réstia de vida.
Plantado em 1644, ou talvez antes, o cedro do Buçaco já viveu muito. O seu nome científico – Cupressus lusitanica – sugere tratar-se de uma espécie portuguesa. Mas, na verdade, estima-se que a Ordem dos Carmelitas o tenha trazido das regiões montanhosas do México, da Guatemala e da Costa Rica.
Foi o naturalista Philip Miller quem descreveu a espécie, em 1768, a partir de exemplares que viu no Buçaco, quando lá esteve nessa altura. Daí o engano quanto à origem da árvore.
Apesar da sua classificação como um cipreste, a árvore foi popularmente reconhecida como um cedro e lá ficou no coração da mata do Buçaco, ao lado da Ermida de São José e, em honra deste santo, partilhou com ele o nome. Chamam-lhe "cedro de São José".
Ao longo de quase quatro séculos, resistiu a muitas chuvas e ventos e até a um ciclone, em 1941 – data das maiores rajadas de vento de que há registo em Portugal. Viveu situações que apenas os livros podem contar e neste fim-de-semana ficou com a vida em risco.

                          
.
 Este é o famoso Cedro de S. José ,                             
exemplar do chamado Cedro do Bussaco ,             
que se encontra junto á capela do mesmo nome     .
Supõe-se seja um dos primitivos cedros plantados
na  Mata pelos meados do séc.XVII.  (1628/1650)      
.
         
.
Com mais de trezentos e cinquenta anos               
de idade , o Cedro de S. José é a única                   
 testemunha viva contemporânia dos carmelitas    
do Buçaco  e sobrevive graças a especiais             
cuidados de isolamento e suporte no alto               
do seu pedestal erguido na densidade da floresta


Restou o tronco
"É apenas um tronco e um pequeno ramo de pé", descreve Milene Matos, investigadora do departamento de Biologia da Universidade de Aveiro. Milene trabalha na Fundação da Mata do Buçaco há dez anos e há dez anos que estava habituada a ver os cerca de 5,5 metros de perímetro do tronco castanho-avermelhado do cedro de S. José rodeados de crianças em visitas escolares.
Foram dez anos – e muitos outros antes – de boas recordações e, por isso, no sábado do temporal, não resistiu quando olhou para a árvore. "Chorei baba e ranho. É quase como perder uma pessoa. É uma perda irrecuperável e um sentimento de impotência perante um acidente fortuito como este", explica a investigadora, que conhece quase de cor os 105 hectares e as mais de 250 espécies de árvores e arbustos da mata.
Helena Mergulhão é voluntária desde que a fundação abriu portas, em 2009, e também ela anda agora na luta para devolver ao Buçaco a tranquilidade que os carmelitas tanto apreciavam no século XVII. "Quando se entrava na mata do Buçaco, era um paraíso para quem gosta da natureza", conta, comovida, numa entrevista por telefone. "Estou a dizer-lhe isto e as lágrimas correm-me pela cara abaixo", acrescenta. Ouvem-se. De repente, param e dão lugar à indignação: "Quando cheguei à mata, entrei em pânico e chorei. Andámos nós anos a lutar sem meios, recebemos centenas de turistas, e não temos apoios. Os meios são os nossos braços e pernas."
Ao longo dos anos, o "cedro de S. José" sempre foi alvo de curiosidade de turistas e visitantes nacionais que, em excursões à Mealhada, na mata do Buçaco, eram apresentados a uma árvore verde de grande importância: a primeira espécie exótica introduzida no Buçaco, o cedro mais antigo de Portugal e, provavelmente, da Europa.
Às crianças, em vez de se falar no bispo de Coimbra D. Manuel, que, em 1628, entregou a mata aos carmelitas, contava-se a história do duende Alcino, um heterónimo inventado para atrair os mais novos. O nome era diferente, mas a bondade e o amor pela natureza eram os mesmos.

Acesso difícil
Agora, depois de milhares de árvores terem sido derrubadas pelo vento, o acesso ao cedro tornou-se difícil. Difícil de mais para as pernas de Henrique Gonçalves, que, passados 82 anos, já tiveram outra força. Entrou pela primeira vez na mata do Buçaco em 1945. "Ajudei a plantar os fetos e árvores e arbustos do jardim", conta. Em 1960, passou a guarda-florestal e viveu cinco anos na mata. "Aquilo marca uma pessoa e deixa saudades". Por isso, volta todas as semanas, geralmente aos domingos, e também ele não conseguiu conter as lágrimas ao saber que a relíquia da mata pode estar perto do fim.
Até esta quinta-feira, a fundação vai continuar fechada ao público e, nos próximos meses, o cedro não poderá ser visitado. "Já foram técnicos especializados ao local para ver o que se pode fazer, como sarar as suas feridas", diz o presidente da Fundação da Mata do Buçaco, António José Franco, acrescentando que talvez em Março se possa ver o ex libris natural do Buçaco.
A incógnita permanece sobre a mata do Buçaco, embora todos estejam confiantes de que um cedro que já viveu mais de 300 anos poderá viver outros tantos. "Ele sempre esteve de saúde, nada disto se previa", diz Milene Matos, referindo-se ao efeito, na árvore, das fortes rajadas de vento que fustigaram a mata neste fim-de-semana. "Eu acredito que ele vai dar a volta por cima e voltar a ser a nossa jóia", considera António José Franco. O quadro clínico poderia ser melhor, mas, enquanto existirem folhas verdes, há esperança.

Fonte da Notícia escrita:                Jornal. PÚBLICO 
Jornalista: --------------------       Marta Portocarrero
Fonte das Imagens e texto relativo. Bussaco.blogs sapo.pt
Composição final.------------        pinto(r)lopes

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

50 FACTOS CIENTÍFICOS CURIOSOS .

50 FACTOS CIENTÍFICOS CURIOSOS
01. A velocidade da luz, geralmente arredondada em 300.000 km/s, é de exactamente 299.792,548km/s.
02. São necessários 8 minutos e 17 segundos para a luz viajar da superfície do sol à terra.
03. 10% de todos os humanos já nascidos, estão vivos neste momento.
04. A terra gira à 1.600 km/h, mas viaja em sua órbita ao redor do sol a mais de 107.000 km/h.
05. Todo ano, um milhão de terremotos sacodem a terra.
06. Quando Krakatoa entrou em erupção, em 1883, a força de sua explosão foi tão grande que pode ser escutada à mais de 7.700 km. de distância, na Austrália.
07. A cada segundo, 100 raios atingem a superfície terrestre.
08. Todo ano, 1.000 pessoas morrem vítimas de raios.
09. Em outubro de 1999, um iceberg do tamanho de Londres, soltou-se do continente Antártico.
10. Se você conseguisse dirigir seu carro na vertical, directo para cima, levaria apenas uma hora para chegar ao espaço (algo em torno de 65 km).
11. A ténia, um verme que pode viver no sistema digestivo humano, pode atingir quase 23 metros de comprimento.
12. A Terra tem 4,56 biliões de anos, a mesma idade da Lua e do Sol.
13. Os dinossauros extinguiram-se antes da formação das Montanhas Rochosas e dos Alpes.
14. A aranha viúva negra, come o macho depois do acasalamento.
15. Quando uma pulga salta, a aceleração à qual ela se submete chega à 20 vezes a de um foguetão espacial durante o seu lançamento.
16. Se o Sol tivesse apenas 1 centímetros de diâmetro, a estrela mais próxima dele estaria à 285 quilómetros de distância.
17. Astronautas não conseguem arrotar quando no espaço – não existe gravidade para separar os líquidos dos gasosos em seus estômagos.
18. O ar no topo do monte Everest, à 8.850 metros de altura, só tem um terço da densidade que apresenta ao nível do mar.
19. 1/1.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 de segundos antes do Big Bang, o universo era do tamanho de uma ervilha.
20. O DNA foi descoberto em 1869 pelo suíço Friedrich Mieschler.
21. A estrutura molecular do DNA foi determinada pela primeira vez em 1953 por Watson e Crick.
22. O primeiro cromossoma humano foi construído por cientistas americanos em 1997.
23. O termómetro foi inventado em 1607 por Galileu Galilei.
24. Alfred Nobel, pai do famoso prémio, foi o inventor e fez fortuna com a dinamite em 1866.
25. Wilhelm Rontgen venceu o primeiro prémio Nobel de física em 1895, por ter descoberto o raio-x.

26. A maior árvore documentada foi um eucalipto australiano, que em 1872 tinha pouco mais de 130 metros de altura.
27. Christian Barnard fez o primeiro transplante de coração em 1967, o paciente sobreviveu 18 dias com o novo órgão.
28. Uma enguia eléctrica pode dar um choque de 650 volts.
29. Comunicações sem fio deram um grande passo em 1962, com o lançamento do Telstar, o primeiro satélite capaz de retransmitir sinais de telefone e televisão.
30. O vírus Ébola mata 80% dos humanos que infecta.
31. Dentro de 5 biliões de anos, o sol vai ficar sem energia e se transformar em um “gigante vermelho”
32. As girafas dormem apenas vinte minutos por dia. Eventualmente, elas podem dormir até 2 horas por dia, mas nunca de uma só vez, sempre em pequenos sonos.
33. O corpo humano tem mais de 96.000 km de vasos sanguíneos.
34. Uma célula sanguínea leva apenas 60 segundos para completar uma circulação completa pelo corpo.
35. No dia que Alexander Graham Bell foi enterrado, todo o sistema de telefonia dos EUA foi desligado por um minuto, em sua homenagem.
36. O chamado de baixa frequência feito pela baleia jubarte, é o som mais barulhento produzido por um ser vivo.
37. 25% de todas as plantas do mundo estavam ameaçadas  de extinção até o ano 2010.
38. Cada pessoa perde 40 kg. de pele durante sua vida.
39. Com 37 centímetros, as lulas gigantes são os seres vivos com maiores olhos da Terra.
40. O Universo contém mais de 10 biliões de galáxias.
41. Quando se colocam larvas sobre feridas, elas curam mais rápido e sem risco de infecções ou gangrenas.
42. Mais germes se transferem em um aperto de mãos que em um beijo.
43. A velocidade mais rápida com que a chuva cai, são 29 km/h.
44. Seria necessária uma hora inteira para um objecto pesado afundasse 10,9 km., no local mais profundo de todos os oceanos.
45. Cerca de um quatrilião de neutrinos do Sol passaram através do seu corpo enquanto você lia esta frase.
46. O local mais profundo de todos os oceanos são as Fossas Marianas, no Pacífico, com exactos 10.910 metros.
47. A cada hora, o universo se expande 1,6 biliões de quilómetros (um bilião de quilómetros em cada direcção).
48. Parte da interferência na sua TV se deve as ondas do Big Bang que gerou o universo.
49. Mesmo viajando à velocidade da luz, seriam necessários dois milhões de anos para ir da Terra à galáxia mais próxima, Andrômeda.
50. Um dedal de neutros de uma estrela, pesa mais de 100 milhões de toneladas.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Alfabeto Fonético Mundial



Todos nós ( ou quase ) ao longo da nossa vida ouvimos por vezes serem utilizadas algumas palavras cujo conteúdo se estranha, refiro-me designadamente a essa utilização pelas forças armadas, policiais  ou bombeiros, por exemplo, sem querer excluir outras que, decerto, as utilizam também na chamada área civil. Pretende-se com isso tornar compreensíveis a todos os intervenientes nessa troca de mensagens o que se deseja reportar.



 Nos filmes então é muito usual . Vejam então o  "   código fonético " com que, por exemplo,um agente da autoridade contacta a " central  " afim de se certificar se a matricula de determinado veículo corresponde ou não ao mesmo ou se o registo está correcto. Assim: Veículo matricula  Alfa- Alfa tem o seu correspondente; (A A )  ou então; Charlie Hotel ou seja; C H. Isto entre outros possíveis milhares de exemplos.



segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

GONG. Inverno em Portugal.

Um Inverno à antiga portuguesa!


Eis uma representação do que nos viria a afectar aquando da sua fase inicial. Regista-se o desenvolvimento desde o dia 15 terça -feira às primeiras horas do dia 18 sexta-feira.Vejam a quantidade de água que entrou pela Peninsula Ibérica.  Impressionante. No sábado, dia 19, deu-se então o temporal ou, uma Ciclogénesis Explosiva,  a que os meteorologistas denominaram de " GONG ". Sinceramente isto não me surpreendeu, no seu todo, pois sigo com interesse estes assuntos. Há já uns dias ou seja desde o dia 15 que verificava a evolução desta movimentação  com alguma certeza de vir a atingir Portugal e Espanha. Se verificar-mos bem a origem e a movimentação da massa de água aqui representada a azul e onde se exclui a representação dos ventos a ela associados vemos a grandeza do impacto final.





" Monumentos de Sintra encerrados na segunda-feira devido a queda de 2 000 árvores

Por Agência Lusa, publicado em 20 Jan 2013 - 22:28 | Actualizado há 13 horas 14 minutos
O Palácio da Pena, o Castelo dos Mouros e o Convento dos Capuchos vão estar encerrados ao público na segunda-feira devido à queda, no sábado, de cerca de duas mil árvores na Serra de Sintra.
A empresa pública que gere estes monumentos, a Parques de Sintra Monte da Lua, informou em comunicado que os acessos aos monumentos encontram-se impedidos devido à queda de árvores e de ramos que ainda não foram retirados na totalidade.
A empresa prevê a reabertura dos acessos aos palácios da Pena e Monserrate na terça-feira, e a reabertura, apenas na quarta-feira, dos acessos ao Castelo dos Mouros e Convento dos Capuchos.
A Parques de Sintra Monte da Lua adianta que hoje, durante uma ligeira melhoria das condições meteorológicas, foi possível analisar e avaliar corretamente os danos causados pelo temporal de sábado, assim como dar inicio aos trabalhos de limpeza.
Segundo o comunicado, "a destruição de património natural é muito elevada", superior ao inicialmente previsto, tendo caído cerca de duas mil árvores nas propriedades geridas pela empresa.
O mau tempo provocou ainda a deslocação de algumas pedras de várias toneladas e a destruição parcial da Casa do Guarda do Chalet da Condessa, onde funciona a bilheteira de acesso ao jardim da propriedade.
Todos os monumentos geridos pela empresa estiveram encerrados ao público durante o fim-de-semana devido ao mau tempo. "


O mau tempo vai persistir hoje no Continente, com chuva e vento moderado a forte.

O vento soprará moderado a forte no litoral e nas terras altas, continuando a precipitação em todo o território continental, pelo menos até quarta-feira.
O dia ficará igualmente marcado por queda de neve, acima dos 600 metros, que se mantém ao longo da semana, entre os 400 e os 600 metros.
Na terça-feira, o vento voltará a soprar com mais intensidade, de forte no litoral a forte/muito forte nas terras altas.
O mau tempo provocou ontem um morto, quatro feridos e vários desalojados, para além de estragos em casas e automóveis, na maioria dos casos provocados por queda de árvores.


Como a grande maioria de nós vimos, foi um dia de Inverno à antiga, este que vivemos na sexta e no sábado.


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

A praga ?



Temos de ter esperança neste tipo de iniciativas uma vez que estas árvores e arbustos são de tal maneira intrusivos que não há nada que os elimine de vez.


 Têm se feito inúmeras tentativas mas a natureza volta sempre a ocupar, com aparente êxito, o espaço deixado pelas gerações anteriores. Sem dúvida que olhando para a Serra de Sintra de uma maneira geral o panorama é muito belo, e oxalá continue assim, ainda que tal se deva, pelo menos na vertente sul, à proliferação destas espécies que se pretende ver mais reduzidas.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Caminho Alegre


...E não é que eu acho o mesmo! Tinha passado por aqui centos de vezes, ora de carro ora de bicicleta, ora só, ora acompanhado e  até a pé, em regra sempre bem disposto.Não tinha nome o local, ou se tinha era exclusivo de alguns. Deparei com esta placa um dia destes quando decidi ir até ao Pé da Serra ( localidade bem acolhedora ) em passeio ciclo turistico como volta e meia faço.


Caminho Alegre. Pé da  Serra. Sintra.



 Quem baptizou este local na nossa Serra de Sintra quanto a mim só merece palavras de apreço. Jamais me passou pela cabeça que só eu é que me sentia alegre por ali, mas daí a haver mais gente a pontos de  registar essa alegria, para a posteridade,  com placa e tudo é que não estava à espera. O caminho é para um ciclista já algo entradote na idade, como eu, um desafio respeitável pois tem umas subidinhas que exigem alguma preparação física, porém compensa no fim com a  noção de que fiz algo  realmente interessante para com o corpo e, claro, a mente. Sinto-me regra geral muito alegre comigo. Bonito nome para o caminho.







sábado, 12 de janeiro de 2013

Aves migratórias ausentes.

Aves migratórias ausentes ? Porquê ?

   Tenho-me interrogado sobre este assunto ao longo destes últimos anos,  assim como um grande amigo que comigo atravessou a adolescência e os verdes anos dos idos de  60 e 70. Por essa altura eu e ele, companheiros de caçadas, tinha-mos como adquirido a presença no Verão, Outono e Inverno das chamadas espécies migratórias. Era comum logo que chegava Setembro assistir-se à passagem de grandes bandos de rolas aqui na região com relevância para os pinhais mais chegados ao mar e sempre que soprava um vento leste ou nordeste que as conduzia ao continente Africano. Eram então dias de grande espectáculo ir observá-las nos Oitavos, por exemplo.Também era notório uma diversidade de pequenas aves a que nós aqui pela região dávamos nomes pouco científicos mas que serviam para as reconhecer tais como; papa-moscas, taralhão, bate-asas, fuinhos, felosas e um vasto etc. Vinha pouco depois Outubro e especialmente Novembro com os seus primeiros frios após as chuvas e com eles chegavam os tordos com as suas várias famílias, os abibes,  lugres, pitinhas, piscos, e muitos mais.
 Eu, aí pelos anos de 1971/ 72 assisti ao maravilhoso ( para  mim ) quadro vivo que foi  a passagem de bandos e bandos seguidos uns aos outros de tordos pilaris ( Turdus pilaris ) a que por aqui lhes chamava-mos chalrretas, talvez pelo som do seu canto que vindos da zona da Quinta da Marinha, hoje cheia de moradias mas que na altura era uma floresta, com uma ou outra casa dispersa, além de ser um local em regime florestal especial ou seja coutada o que lhe dava alguma tranquilidade, cinegéticamente falando, sobrevoavam  estes tordos, dizia, toda a zona a sul da  aldeia da Areia, seguindo pelo Mato Romão onde hoje se encontra o Bairro da Chesol e seguindo em direcção à Serra de Sintra para a dormida, segundo se constava, pois este detalhe nunca o confirmei " in  loco ". Recordo-me de ouvir falar de poucos anos antes terem sido avistados centos de pássaros desconhecidos para a maioria das pessoas cá do burgo, pássaros esses que abriam as pinhas dos pinheiros bravos com o seu bico curvo afim de se alimentarem dos pinhões, parecendo nessa actividade ignorar o que quer que fosse. Eram de facto cruza-bicos ( Loxia curvirostra ) cuja invasão se dá ocasionalmente quando os pinheiros de coníferas no Norte da Europa lhes são parcos em alimento,  como devia ter sido o caso, embora possa ter havido outras razões.
 Ainda a propósito dos tordos, dizia-me um grande amigo que nos anos 40 / 50 era comum os caçadores escolherem atirar aos tordos pilaris pela sua corpulência, em contraste com os restantes que se misturavam nesses bandos de antanho, os quais, segundo o meu amigo, sobrevoavam toda esta zona onde moro, na altura também uma aldeola de meia dúzia de casas. Isto tudo são recordações de tempos que jamais voltarão. Porém não invalida uma resposta à pergunta inicial. Porquê a ausência? Entre os mais diversos factores aplicáveis à minha região que creio também o serem aplicáveis ao restante País pois o que refiro aqui nota-se por esse Portugal, ao que me é dado saber. Enumero vários como poluição sonora e visual, abandono da agricultura mas e sobretudo as tão faladas alterações climáticas.
 Fonte da imagem: NOAA e Meteo Giornale

 Como se pode ver no mapa que anexo e sem margem para dúvidas as temperaturas tendem a elevar-se o que entre outros factores condiciona as migrações, embora eu não saiba ao certo  o que se passa noutros  países neste particular. Sendo assim resta ter esperança que seja só este o motivo destas ausências e nada mais grave no tão fabuloso reino animal.
Continuarei atento e observador para, quem sabe, um dia olhar alguns destes visitantes aqui na região e então saudá-los com um caloroso " Obrigado amigos pela visita, a casa é sempre vossa , tinha tantas saudades " !

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Saudações democráticas

EIRA, JANEIRO 03, 2013

O pluralismo encolhe


Caros amigos (poucos), simpatizantes (alguns) e conhecidos (muitos),

Cumpro o «doloroso dever» de participar – para gáudio de quem detesta as minhas opiniões e não me pode ver nem pintado – que fui esta tarde «removido», por telefone, do programa «Frente-a-Frente» da SIC Notícias, no qual participava desde o ano de 2004.

Digo «removido», porque me parece ser um bom compromisso entre o termo «dispensado» (politicamente correcto) e os termos «despedido» ou «corrido» (politicamente incorrectos).

Justificações da «remoção»: i) necessidade de «renovar» a lista de «paineleiros», naturalmente «remoçando-a» (presumo que um velho rezingão como eu será substituído por um daqueles moçoilos geniais que agora dirigem o PS); ii) deixar de pagar as participações no «Frente-a-Frente» (150 euros cada uma), porque a SIC Notícias está paupérrima e passará a aceitar apenas «voluntários» (claro que tiveram o cuidado de não me perguntar se eu queria ser um deles…).

Terminam assim 17 anos consecutivos de colaboração com órgãos de comunicação social do grupo «Impresa»: oito anos e meio como cronista do EXPRESSO, de que fui removido no auge da invasão do Iraque; outros oito anos e meio como colaborador da SIC Notícias, de que fui removido no auge da «guerra» declarada há poucos dias pelo «megafone» de Vitor Gaspar, Pedro Passos Coelho. Suponho que é uma «guerra» contra a esmagadora maioria dos portugueses, que continuam a empanturrar-se de bifes todos os dias…

Mas é claro que não deixa de ser exaltante imaginar a satisfação que esta notícia irá causar em figuras tão proeminentes como a augusta vice-presidente (da AR) Teresa Caeiro, o austero advogado José Luís Arnaut ou o venerável empresário Ângelo Correia – que se recusavam a enfrentar-me há já alguns meses com o beneplácito dos responsáveis pelo programa.

Não ignoro, todavia, que o gáudio não se confina ao chamado «arco do poder», nos seus três tons habituais: cor de laranja azeda, azul cueca e cor-de-rosa fanada. Também vai entrar de roldão em alguns órgãos de comunicação social do regime, politicamente correctos, onde não faltam opinadores tão chatos ou peneirentos como «intocáveis», e digníssimos «pilares» do statu quo que não apreciam dissidências políticas nem franco-atiradores (a não ser quando haja escândalo que aumente as audiências e/ou os leitores).

A única coisa que se me oferece dizer, sem me rir, neste momento, é a seguinte: quando se perde poder ou a aparência dele, por mais ínfimo que seja; quando não se tem a protecção de um partido, ou de uma «igreja», ou de uma associação «cívica» semi-clandestina, ou de um grupo de pressão, ou de um «sacristão», ou de um «patrão», ou de um «padrinho», etc., etc., etc. – o «lonesome cowboy» escusa de armar ao pingarelho, e não tem outro remédio se não o de meter a viola no saco e ir para a caça aos gambozinos.

Saudações democráticas,
Alfredo Barroso

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Via Láctea. A nossa Galáxia.


Li hoje a notícia em que nesta nossa Galáxia, também ela uma entre milhares, existem milhões de planetas, repare-se nisto milhões de planetas. Ora bem tendo isto em conta e, segundo os cientistas, alguns deles até estarão em " zona habitável ".  Então o que fica subentendido?

Há 17 mil milhões de planetas semelhantes à Terra



São cerca de 17 mil milhões os planetas de tamanho semelhante ao da Terra que se encontram na Via Láctea, de acordo com uma nova estimativa elaborada pela NASA.
foto NASA
Há 17 mil milhões de planetas semelhantes à Terra
Representação artística dos novos planetas
A agência espacial norte-americana obteve novos dados da missão Kepler, que se dedica à "caça" de novos mundos para além do sistema solar e que sugerem que uma em cada seis estrelas na nossa galáxia poderia alojar um planeta do tipo da Terra em órbita.
Desde 2009 que a missão Kepler procura localizar à volta das estrelas da Via Láctea planetas extrasolares com características semelhantes ao nosso em "zonas habitáveis", isto é, com temperaturas nem muito frias, nem muito quentes, e com água na sua superfície.
A nova estimativa de 17 mil milhões de planetas idênticos ao nosso aumenta a possibilidade de, no futuro, vir a ser localizado um mundo capaz de albergar vida, tal como o nosso.
A NASA, durante a mais recente reunião da Associação Americana de Astronomia, anunciou a descoberta de 461 candidatos a planetas, quatro dos quais podem orbitar a sua estrela na "zona habitável", onde a água em estado líquido pode existir na sua superfície.
A agência norte-americana explicou que o aumento do número de planetas com semelhanças ao nosso deve-se ao desenvolvimento da tecnologia, que possibilitou um aumento de novas descobertas na ordem dos 20%

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

D. Pedro I. O Justiceiro.


"  Conjectura-se que grande devia ser a dissolução dos costumes, pelos actos de severa justiça praticados por D. Pedro I. Foi ele dos Reis de Portugal , o primeiro que tomou o encargo de ser pai dos seus vassalos. Tinha sofrido muito: A tragédia dos seus amores, que teve por último acto o bárbaro assassínio de Inês de Castro, lavraram-lhe fundo na alma o ódio das injustiças e uma sede insaciável de vinganças contra todas as prepotências.
   Reservava a si com amor o encargo de julgar todos os delitos. Mandava trazer à corte os criminosos de qualquer ponto do País onde fossem agarrados. Vê-los presos e algemados na sua presença era para ele um prazer intenso que saboreava com delícias. Torturá-los, martirizá-los, fazer-lhes sofrer as mais duras provas era ocupação que antepunha a qualquer outra.
   Levantava-se da mesa, mal lhe traziam a notícia da chegada de algum grande criminoso, e passava logo sumariamente à execução. Da cintura pendia-lhe sempre o látego com que retalhava o corpo dos criminosos. Castigava rigorosa e severamente todos os crimes, mas os de sensualidade eram para ele um pratinho de grande mimo e inventava para os pobres criminosos requintes de ferocidade que espantaram os seus contemporâneos.
D. Pedro I " O Justiceiro " O Rei que concedeu foral à Vila de Cascais.

   Ai dos adúlteros que lhe caiam nas mãos ! Era implacável para com eles. O seu escudeiro Afonso Madeira, dextro nos jogos da época e distinto pelas mais apreciáveis qualidades, era-lhe muito querido e merecera-lhe sempre uma predilecção muito especial. O pobre rapaz teve porém a desventura de se enamorar dos encantos de Catarina Tosse, mulher casada, que se lhe entregou, rendida de paixão; e o Rei, apenas soube do adultério, pôs de parte a afeição para só respirar justiça vingadora: Afonso Madeira foi castrado e morreu em consequência deste bárbaro suplício ou talvez pelo desgosto que a vida lhe causava depois de ter sofrido tão dura perda, de sua natural door - diz o cronista.
   Chegaram um dia aos ouvidos do Rei os galanteios de certa esposa desleal a seu marido. Justiça sumária: a pobre mulher foi queimada. O marido, que sabia das fraquezas da esposa e as suportava filosoficamente, recebeu depois deste suplício um recado do  monarca, dizendo que não se afligisse por aquela perda, pois até lhe devia dar alvíssaras por ter vingado a sua honra ofendida. ( ... ) 1
 Só a caça lhe servia de distracção, mas, embora nesse exercício se mostrasse folgazão e afável, o semblante em breve se enublava, ao receber queixa de qualquer agravo. Ouvia quantos se aproximavam e a sua justiça era sempre pronta e rigorosa. Era igual na aplicação dos castigos, quer o culpado fosse plebeu, ou fidalgo, ou clérigo. Os ricos-homens que perdiam a reputação das donzelas eram tão severamente punidos como o último dos seus vassalos que tal fizesse. Justiça para todos: " Mostrem e declarem aquello em que lhes vam contra seus foros, graças e mercees que ham e que nos lhas faremos guardar. " ( ... ) 2
     (...) O tempo era bárbaro e os costumes corruptos, bárbaro e implacável devia ser a justiça. - Assim o entendia D. Pedro, e assim o praticava.
   O incesto, o adultério e o estrupo eram frequentes.  O clero e os fidalgos refocilavam-se à vontade sobre o corpo inerme do pobre povo indefeso.Dura e enérgica havia de ser a justiça do Rei quando o monarca, fazendo-se o verdadeiro pai protector dos seus vassalos, se mostrava disposto a não tolerar abusos nem vexames.
   " Tais dez anos nunca houve em Portugal! como estes em que reinara El- Rei D. Pedro ! " exclama o o velho historiador Fernão Lopes na crónica do monarca; e o povo, ao comemorar com lágrimas saudosas a morte do Rei amigo e pai, exclamava também que " Monarcas assim ou nunca deviam nascer ou nunca deviam morrer ". ( ... ) 3
 


3 ) . Texto extraído do livro " Os bons velhos tempos da prostituição em Portugal "
                                         Antologia de histórias e documentos colhidos na   HISTÓRIA DA PROSTITUIÇÃO EM PORTUGAL  de Alfredo Amorim pessoa ( 1887 ) realização e anotações de Manuel João Gomes ( 1976 )

Nota pessoal - Significam estes asteriscos que; 1 (...) e ( ... ) Tive de omitir várias passagens por serem muito extensas e variados os relatos, mas não menos interessantes na sua leitura.                                     
Ano de 1355. Fizeram  ontem seiscentos e cinquenta e sete anos que morreu em Coimbra Inês de Castro ( n.c. 1320 ), mulher do infante D. Pedro ( depois Rei de Portugal ), executada por ordem do sogro, D. Afonso IV.




 
  

domingo, 6 de janeiro de 2013

Vaga de Frio ? !

Esteve hoje um dia de Reis  excelente e até ameno. Pela manhã eram algumas centenas de pessoas que como eu aproveitavam a amenidade do clima para  exercitar o corpo e encher os pulmões de ar puro em percursos escolhidos, ao acaso ou não. Eu optei por percorrer em bicicleta a  região litoral o que não  é difícil pois desde minha casa ao inicio da ciclovia em Cascais são " dois passos ". Se decidisse ir à serra era a mesma coisa. Já o fiz no 1º dia do ano.
A 5.500 metros (500hPA ) a temperatura   na nossa vertical estará ao redor dos 32º negativos.

 Fiz tudo isto em calções desportivos e camiseta e até senti algum calor. Agora atenção. Segundo os entendidos vem aí uma vaga de frio dentro de seis dias ou seja lá para o dia 12 começam os ventos a soprar frescos de noroeste, para culminar no dia 14 com frio a sério, desta feita com os temíveis ventos norte ou nordeste. Em suma e a confirmar-se teremos um verdadeiro contraste com os dias  atípicos que vivemos. Pelo sim pelo não o melhor é estarmos prevenidos.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Bombeiros Voluntários de Cascais

Dois livros. Muitas histórias.
Nestes dois livros estão muitas narrativas históricas de um passado recente bem como excelentes fotografias referentes a esse mesmo passado no que concerne a pessoas, veículos e ocorrências em que os nossos bombeiros bem como a população da Vila e arredores foram protagonistas.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

2013


 Decididamente este ano de 2013 deverá ser de alguma mudança aqui no blogue. Alterei o visual e a adição de comentários passou a ser reservada, por exemplo.. Sinceramente não gosto do anonimato. Como tenho feito até hoje prosseguirei com as mais diversificadas matérias e temáticas por aqui tanto no plano regional como mundial.
Destacarei sempre a minha região que é onde nasci e vivo. Para o bem ou para o mal como diria " o outro ".
E a propósito de Cascais eis aqui " em cartaz " uma iniciativa da Junta de Freguesia que realço com prazer.