quarta-feira, 28 de setembro de 2016

D. Amélia. Rainha de Portugal. Nasceu há 151 anos.

Amélia de Orleães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Amélia de Orleães
Rainha consorte de Portugal
Princesa de Orleães
Amelie d'Orleans Corcos 1905.jpg

D. Amélia de Orleães em retrato de 1905, por Vittorio Matteo Corcos.

Consorte Carlos I de Portugal
Casa Real Casa d'Orleães e Casa de Bragança-Saxe-Coburgo e Gota
Nome completo
em francês: Marie Amélie Louise Hélène d’Orléans
Nascimento 28 de setembro de 1865
Inglaterra Twickenham, Inglaterra
Morte 25 de outubro de 1951 (86 anos)
França Le Chesnay, França
Sepultamento Panteão Real da Dinastia de Bragança, Mosteiro de São Vicente de Fora, Lisboa
Filho(s) Luís Filipe
Maria Ana
Manuel II de Portugal
Pai Luís Filipe, Conde de Paris
Mãe Maria Isabel de Orleães-Montpensier
Assinatura Assinatura de Amélia de Orleães
Maria Amélia Luísa Helena de Orleães GCNSC (Twickenham, 28 de setembro de 1865Le Chesnay, 25 de outubro de 1951) foi a última rainha de facto de Portugal.
Durante a sua vida, Amélia perdeu todos os seus familiares diretos: defrontou-se com o assassinato do marido, o rei D. Carlos I de Portugal, e do filho mais velho, o príncipe real D. Luís Filipe (episódio conhecido como Regicídio de 1908); vinte e quatro anos mais tarde, recebeu a notícia da morte do segundo e último filho, o rei D. Manuel II; e também ficara de luto com a morte de sua filha, a infanta D. Maria Ana de Bragança, nascida em um parto prematuro, e, em 1920, com a morte do cunhado, o infante D. Afonso de Bragança, Duque do Porto, único irmão do rei D. Carlos I.
Ela foi um dos membros da família real portuguesa exilada após a implantação da república - facto ocorrido a 5 de outubro de 1910 - que visitou Portugal em vida, bem como o último membro a morrer, aos oitenta e seis anos. Amélia de Orleães viveu sofridas décadas de exílio, entre Inglaterra e França, onde aguentou a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).
Esta frase estava entre as suas últimas palavras:
Cquote1.svg Quero bem a todos os portugueses, mesmo àqueles que me fizeram mal.

D. Carlos. Rei de Portugal nasceu há 153 anos.

Carlos I de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros monarcas de mesmo nome, veja Carlos I.
Carlos I
Rei de Portugal e Algarves
Reinado 19 de outubro de 1889
a 1 de fevereiro de 1908
Coroação 28 de dezembro de 1889
Antecessor(a) Luís I
Sucessor(a) Manuel II
Esposa Amélia de Orleães
Descendência Luís Filipe, Príncipe Real de Portugal
Maria Ana de Bragança
Manuel II de Portugal
Maria Pia de Bragança (alegadamente, bastarda)
Casa Real Bragança-Saxe-Coburgo-Gota
Nome completo
Carlos Fernando Luís Maria Victor Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis José Simão de Bragança Sabóia Bourbon e Saxe-Coburgo-Gota[1]
Nascimento 28 de setembro de 1863
Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal
Morte 1 de fevereiro de 1908 (44 anos)
Praça do Comércio, Lisboa, Portugal
Sepultamento Panteão da Dinastia de Bragança, Igreja de São Vicente de Fora, Lisboa, Portugal
Pai Luís I de Portugal
Mãe Maria Pia de Saboia
Assinatura Assinatura de Carlos I
Carlos I (Lisboa, 28 de setembro de 1863 – Lisboa, 1 de fevereiro de 1908) foi o Rei de Portugal e Algarves de 1889 até seu assassinato. Era filho do rei Luís I de Portugal e sua esposa a princesa Maria Pia de Saboia.[2]
Nascido em Lisboa, foi cognominado "o Diplomata" (devido às múltiplas visitas que fez a Madrid, Paris e Londres, retribuídas com as visitas a Lisboa dos reis Afonso XIII de Espanha, Eduardo VII do Reino Unido, do imperador Guilherme II da Alemanha e do presidente da República Francesa Émile Loubet), "o Martirizado" e "o Mártir" (em virtude de ter morrido assassinado), ou O Oceanógrafo (pela sua paixão pela oceanografia[3], partilhada com o pai e com o príncipe do Mónaco).

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Mais dia, menos dia e...

Misterioso sinal de rádio tem proveniência do espaço

Mesmo que não estejam prontos para relacionar o sinal com existência de vida, os astrónomos estão a considerá-lo suficientemente interessante para manter vigilância.

© NASA
Tech Vida 11:56 - 30/08/16 POR Miguel Patinha Dias
Uma equipa internacional de investigadores descobriu um curioso sinal de rádio com origem no espaço profundo, nomeadamente a 94 anos-luz vindo da constelação Hércules. A confirmação deste sinal foi também acompanhada pela descoberta de mais planetas junto da estrela HD 164595.
PUB
“Ninguém está a dizer que [este sinal] é da autoridade de uma civilização extraterrestre… Mas é provocador o suficiente que os investigadores estão a pedir uma monitorização permanente deste alvo”, escreveu Paul Gilster no seu blogue Centauri Dreams de acordo com o Business Insider. O sinal captado desapareceu entretanto, com os investigadores a manterem-se atentos para a eventualidade de voltar a surgir.
Do pouco que se sabe até agora sobre este sinal, os investigadores estão preparados para admitir que é forte, pelo menos o suficiente para chegar à Terra de uma forma tão clara. “É um pouco mais do que o que toda a humanidade usa neste momento, mais do que toda a energia a ser usada pelas nossas centrais de energia, carros, autocarros, aviões, comboios e por aí”, notou um astrónomo sénior do Instituto SETI, Seth Shostak.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Clima...Preocupante ou será normal?

NASA confirma o agosto mais quente desde há 136 anos
clima agosto2016-09-13 (IPMA)
A NASA confirmou hoje que o mês de agosto foi o mais quente a nível global, desde há 136 anos, igualando o valor de julho de 2016. Nestes dois meses a temperatura média na Terra foi a mais alta desde que há registos instrumentais globais (início em 1880).
Desde outubro de 2015 (11 meses consecutivos) que se verificam recordes mensais de temperatura média global.
A NOAA ainda não publicou os valores relativos a agosto de 2016 mas referiu recentemente, que o mês de julho de 2016 tinha sido o 379º mês com valores superiores à média do século 20, o último com anomalia negativa foi dezembro de 1984.
Em Portugal Continental, os meses de julho e agosto de 2016 igualaram o valor mais alto de temperatura máxima mensal de agosto de 2003 (32,2 °C), sendo os únicos 3 meses cujos valores estão acima de 32 °C (Boletins Climatológicos).
Em relação à temperatura média o mês de julho de 2016 foi o 2º mais quente desde 1931 (início da série), apenas julho de 1989 apresentou um valor de temperatura média mais alto. Agosto foi o 5º mês de agosto mais quente, atrás de 2003, 1949, 2010 e 2005.
No verão de 2016 (junho, julho, agosto) o valor da temperatura máxima do ar, em Portugal continental, foi o mais alto desde 1931, 30,6 °C, cerca de 2,9 °C acima do valor normal 1971-2000. Foi ainda o 2º verão mais quente desde 1931 (depois de 2005) com o valor da temperatura média de 23,0 °C, cerca de 1,8 °C acima do valor médio.
Desde 1931, 6 dos 10 verões mais quentes ocorreram depois do ano 2000, sendo o verão de 2005 o mais quente em 86 anos.

 

Imagens associadas

  • Figura 1: Anomalias mensais de temperatura média global (NASA GISTEMP), julho de 2016
    Figura 1: Anomalias mensais de temperatura média global (NASA GISTEMP), julho de 2016

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Setembro a avisar-nos do Outono.

PRIMEIRA CHUVA DE SETEMBRO

Informação Meteorológica Comunicado válido entre 2016-09-10 18:24 e 2016-09-11 18:24 PRIMEIRA CHUVA DE SETEMBRO Durante a tarde de segunda-feira, dia 12 de Setembro, a nebulosidade vai aumentar gradualmente, havendo condições para aguaceiros, dispersos e pouco frequentes mas que podem ser acompanhados de trovoada, nas regiões do interior durante a tarde.A partir do fim da tarde deverá começar a haver períodos de chuva nas regiões do litoral Norte e Centro que gradualmente, a partir da madrugada de terça-feira, se vão estendendo a todo o território e vão passando a aguaceiros que podem ser fortes e acompanhados de trovoada.A partir da tarde a nebulosidade diminui na região Sul, mas prevê-se que na quarta-feira, dia 14, ainda continue a haver aguaceiros, em especial nas regiões do Norte e Centro.No dia 13 a temperatura deverá sofrer uma acentuada descida, sendo a temperatura máxima prevista para terça e quarta-feira inferio r a 25ºC em todo o território, não ultrapassando 16ºC nas terras altas do interior Norte e Centro.Recomenda-se que se tenha em atenção a possibilidade de inundações devido a acumulação de detritos em condutas de água pluviais.Para mais detalhes sobre a previsão meteorológica para os próximos dias consultar:http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.significativa Sáb, 10 Set 2016 18:24:00