sexta-feira, 22 de julho de 2016

A Rapina

Esta pequena flor nasceu de uma planta que viveu entre as pedras que vemos. Era um exemplo de tenacidade e resistência num meio tão agreste. Pois bem; um dia qualquer de um destes dias  uma mão humana achou que estava ali a mais e arrancou-a levando-a para, quem sabe, algum vaso.
 Alguns de entre nós  vivem assim ...sempre que algo de belo surge " toca " a rapinar. 
  

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Da ausência

Estou ausente demasiado tempo ( em meu entender ) deste meu blog. Já aconteceu algumas vezes e o motivo felizmente é sempre o mesmo. Não consigo conjugar o pouco tempo que me resta para além do trabalho que presentemente desempenho na Empresa, para a qual fui contratado, com uma regularidade que queria aqui, neste espaço. As horas livres que disponho utilizo-as no cuidar de algumas prioridades. Dito isto é com um sentimento estranho, não de perca mas de incómodo por, repito, ter de " deixar " para  outra ocasião quiçá breve, ou não, as presenças junto de quem tem a gentileza de me vir visitar. Muito obrigado e até sempre.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Os segredos de tudo.

" As casas e as coisas dentro dela começam muito bem, a funcionar lindamente. Quando se quer ligar um apetrecho, liga-se e ele põe-se logo a trabalhar.
   Depois passam uns anos. E, de repente, sem avisar, tudo se complica. Onde antes estava um botão, agora é preciso desligar da tomada, esperar 15 segundos e, mal se carrega no botão, sacudir vigorosamente e, mal começa a piscar, ligar e desligar cinco vezes seguidas o mais depressa possível. Assim - mas só assim -  funciona com perfeição. Que é como quem diz: tal e qual como dantes, quando era novo.
   Entra-se então num período em que cada maquineta, cada porta, cada fechadura tem um particular segredo. É o período de graças: achamos imensa graça aos chamados  " caprichos " da nossa casa. É a prova, convencemo-nos com optimismo alarve, que a casa tem personalidade.
   Este período de graças acaba com surpreendente rapidez. Passa-se então à fase permanente da irritação. O " jeitinho " para ligar o forno começa a requerer um grau de perícia artesanal e de paciência zen que nem sempre está disponível dentro das nossas almas. O " truque " para acender um candeeiro é igual ao que garante fundir a lâmpada de outro. E, com cada dia que passa, é cada vez mais difícil distingui-los.
   Fica-se finalmente com uma saudade furiosa das coisas quando eram novas e simples e fáceis de pôr a funcionar. É deprimente uma casa cheia de coisas que já não são novas e que ainda não se podem deitar fora. Ainda ... " 1

1. Texto da autoria de Miguel Esteves Cardoso.
In Jornal Público

terça-feira, 5 de abril de 2016

Google, os blogues e as novidades de Abril.

Novidades para o fim de abril!
Todos os visitantes conseguirão ver os seus blogues do domínio Blogspot através de uma ligação encriptada ao visitarem https://.blogspot.com. Os links e os marcadores existentes para os seus blogues continuarão a funcionar. Como parte desta alteração, a definição Disponibilidade de HTTPS deixará de estar disponível e os seus blogues terão sempre uma versão HTTPS.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

A tela da Assembleia que eu ( e você ) ajudo a pagar.

Li que a ex - presidente da Assembleia da República Assunção Esteves encomendou um quadro com a sua imagem a uma estrangeira, freira devota, que vai cobrar pela obra 15 mil euros. O quadro será para figurar na Galeria dos Presidentes daquele órgão de soberania.
  A factura é para os mesmos de sempre nos quais eu me incluo sem ser consultado. Aliás terá a srª ex presidente  dado conta da actual situação que o país atravessa ?  Um dos motivos da nossa desgraça colectiva é, por  ex,  as reformas dadas a jovens com quarenta e poucos anos de idade e dez de serviço como é o caso desta ilustre portuguesa. Enfim... para estes casos não há limites mas para a saúde para as reformas ao fim de 30/ 40 anos de descontos e outros  direitos usurpados já a " pintura " é diferente. Por último lamento termos em Portugal tantos e bons retratistas na arte da tela e recorrer-se a uma estrangeira. Sem chauvinismos claro. Acho que a pintora é capaz de conseguir um milagre fazendo com que aquela galeria tenha outro encanto com uma figura feminina entre tantas, como dizer, personalidades.