segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Os pescadores


 Nestes finais de Fevereiro que mais parecem de inicio do Verão fui pela primeira vez acompanhar os pescadores.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Pinhais


Quando o Sol declina no horizonte de um qualquer entardecer deste Inverno apetece olhar de perto a árvore contemplando a floresta. Estas que aqui vos mostro conheço-as desde criança.Elas e os seus donos.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Quinta do Pisão.



                    


                   Decorria sem sobressaltos a tranquila tarde de Fevereiro de dois mil e onze por estes paradisiacos locais.










quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Três coisas


             Há três coisas que são extremamente duras: o aço, um diamante e conhecermo-nos a nós próprios.
       

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Um acontecimento da 2ª Guerra Mundial

       
                                         BRISTOL BEAUFIGHTER X

Foi um avião semelhante a estes que vemos aqui que no dia 5 de Agosto de 1944 aterrou no ALTO do COBRE. CASCAIS.

 Era um avião da R.A.F.. de matricula  NV 321.



A tripulação destruiu o avião logo após a aterragem.




 

                                                                                         

Extraido do livro  de Carlos Guerreiro, " Aterrem em Portugal "



 Não sei de nada mais acerca deste caso.
Seria interessante apurar o local exacto da aterragem,o que foi feito da tripulação,enfim um vasto inquérito. Para mim,nascido e criado aqui nunca tinha ouvido falar nisto até ao dia em que o vi referido no já citado livro. 


segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Já conheceram melhores dias.




 Montemor-o-Novo.
As árvores morrem de pé.






  E esta beleza está situada num cantinho do Cobre.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Amizade



 Em Roma, a Amizade era representada por uma jovem,coroada de mirtos e flores de romanzeira com o busto meio desnudado. Na sua mão direita ostentava dois corações prêsos por correntes, ao passo que, com a mão esquerda, mostrava o peito até ao coração, no qual se lia a seguinte legenda: " De perto e de longe. "Na orla da túnica, encontravam-se impressas estas significativas palavras: " A morte e a vida ".


 Ramalho Ortigão já no século dezanove, em 1885, lamentava, em expressões sentidas, a decadência do amor e da Amizade:

« O que mais profundamente me impressiona e me repugna na camada moderna, é sobretudo a esterilidade de coração, a secura de sentimento,a absoluta ausência de espontaneidade, o áspero egoísmo levando até a desumanização o abastardamento dos caracteres ( ... ) Hoje em dia o mesmo laço afectivo se dissolveu, e com todas as outras religiões mortas acabou também  a religião da Amizade » ( I )


( I ) Ramalho Ortigão, As Farpas.
Os indivíduos ( Tomo III )

 Na fotografia acima podemos vêr um grupo de Amigos que tentam cultivar o valor de amizade.
Alqueva / 13 de Fevereiro de 2011.

Amigos


                                                Nunca é demais recordar o valor da amizade.

A Ceifeira





                                                No campo a ceifeira labuta sob um sol abrasador.




Acrilico s / Tela.
Formato :24,5 x 18,5.


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Cascais

       Grande parte do concelho, e também de Freguesia de Cascais, é actualmente composto de pequenas terreolas descaracterizadas e desprovidas da sua beleza original. 
     De facto, o desregramento urbanístico dos últimos anos, bem como a incúria das entidades competentes,contribuio decisivamente para a massificação construtiva neste espaço, retirando-lhe os seus potenciais atractivos e contribuindo para uma situação de caos urbanistico que se torna difícil de controlar.


   
 
Extrato do livro " História rural cascalense "
   
  João Anibal Henriques.
  Edição da Junta de Freguesia de Cascais.
  Ano de 1997. 



  De então para cá e apesar destes alertas pouco mudou. No entanto esta presidência de António Capucho  foi talvez a que mais protegeu o ambiente rural cascalense. É de crêr que a  anterior, de  José  Luis Judas, foi, nesse aspecto, a mais penalizadora.
.

Os dois ventos. O de chegar e o de partir.





             




                                          Um cata - vento que embeleza qualquer telhado.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Alqueva e Portel.








 Por estes montes do Alqueva estive no domingo 13 de fevereiro.




Portel fotografado quando vinha no regresso a casa. Tarde de Fevereiro.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Campos de Cascais





        Esta paisagem  seria impossivel vêr actualmente. Trata-se dos campos a norte da actual,  A 5, situados entre a Qtª das Patinhas e os depósitos de água de Birre. Das perdizes,do ceifeiro e do jerico nada resta também.



 Acrilico S /Tela.
Formato. 30 x 25.




 

Senhora do seu espaço


          Quase ao crepúsculo surge voando em silêncio a nossa  galinhola. Todos os dias á mesma hora.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Pensamento

                



      Quando pensamos que sabemos todas as respostas

             vem a vida e muda todas as perguntas.

Galinhola. ( três )

Pinhal da Marinha e serra de Sintra ao fundo.

Quum nemus omne suo viride spoliatur honore. Fultus equi niveis silvas  pete protinus altas  Exuviis. Praeda est facilis et amoena scolopax ...

NEMESIANUS, Cynegetica.

Escreveu a este propósito o admirável escritor  José Maria Castroviejo no seu não menos admirável livro  "Viaje por los Montes y Chimeneas de Galicia" .
 
 " Quando o Outono ainda permite algumas folhas no arvoredo mas o Inverno já se faz anunciar com os primeiros gelos, ao passarmos pelo mais espesso e fechado do pinhal, no momento em que afastamos uma rama ou o tropeçarmos na lenha solta nos obrigam a procurar outro caminho, um ruido,semelhante ao do cão molhado a sacudir-se sobressalta-nos. Quase aos pés uma ave castanha,do tamanho de uma perdiz, mostra-se rápidamente em ziguezague ante os nossos olhos. Logo eleva-se,desviando-se de ramas e troncos, e sobre o bosque envolvido em brumas, desaparece rápidamente.
Naquele momento temos ouvido e visto a deliciosa e apaixonante galinhola ou bicuda.
A formosa literatura cinegética da velha França não lhe é parca em qualificativos: Rainha dos bosques.Bela Dama.Dama de olhos de veludo.A Bela doirada.A selvagem.A feiticeira...Como, com efeito, nos enfeitiça!
Que bem harmonizam com as folhas mortas a sua plumagem,que tem também muito de folha morta. Castanho e castanho claro,negros e cinzentos -que lhe permitem passar despercebida no solo ao olhar mais penetrante. (...)
Digamos que esta nossa visitante invernal é de hábitos nocturnos.Com o crepúsculo,a bicuda sai de espessura do matagal ou do pinhal destacando-se nesse momento contra o céu, ao qual  sobem as sombras do bosque.(...)
Vai então alimentar-se em prados húmidos ou locais de sua escolha mas, sempre, onde possa enterrar o seu longo bico.(...)
Entre Fevereiro e Março,segundo ande o tempo,abandona-nos para voltar aos seus longínquos quarteis do Norte,os grandes bosques da Rússia e Escandinavia, nos quais faz o seu ninho no solo, escolhendo um sitio fresco e seco.Direi, finalmente,que as galinholas empreendem a sua grande viagem com os ventos pelas costas: Nordeste no Outono e Sudueste na Primavera.Em migrações nocturnas e solitárias chegam e partem para nos iludir nos melhores sonhos de caçadores. "  *

O asterisco (...), naturalmente significa que muito mais está escrito nessa obra impar da literatura do País vizinho editada em 17 de Setembro de 1962 pela Editorial Espasa-Calpe,S.A. Madrid.
Tal como muitas outras faz parte destacada da minha biblioteca cinegética.
De leitura amena as suas páginas parecem emanar uma atmosfera hoje completamente perdida para nós citadinos o que mais nos  faz sentir maravilhados perante a prosa deste notável escritor.

* Agradeço a chamada de atenção de um amável leitor do meu blog para o facto de não ter referido o nome de José Maria Castroviejo como autor do texto que poderia ser atribuido a Nemesianus dado ser a referência latina de sua autoria que encabeça o texto. Assim, o seu a seu dono como compete.