quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Névoas.

Fotografia minha obtida na vertente sul da serra de Sintra.
A névoa percorre a região entre o Guincho e arredores.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Yahoo ! Colabora com os energúmenos.

Yahoo: parem as vendas de marfim!

À CEO do Yahoo!, Marissa Mayer; ao CEO do Yahoo! Japão, Manabu Miyasaka, e a todas as outras empresas que permitem a venda de marfim online:

Como cidadãos globais, estamos perplexos que os senhores permitem a venda de marfim em seus websites/plataformas, dando ainda mais força à extinção dos elefantes. Grandes empresas como Google e Amazon já passaram a agir com responsabilidade e recusam-se a participar deste comércio sangrento. Pedimos que os senhores parem imediatamente todas as vendas nos websites/plataformas do Japão e todos os outros mercados.
 

1.000.000
759.956
759.956 assinaram. Vamos chegar em 1.000.000
O comércio de chifres de marfim está levando os elefantes à extinção. Surpreendentemente, o Yahoo faz parte da cadeia de venda de produtos feitos deste material em sua filial do Japão! Mas agora temos uma chance de fazer com que eles desistam desse comércio de sangue monstruoso.

Google e Amazon já deram um basta à venda de marfim em seus sites. Mas o Yahoo ainda não! Podemos fazê-los mudar de ideia: o Yahoo está vivendo uma crise financeira e institucional, e perdendo seus melhores funcionários. A CEO Marissa Mayer está oferencendo milhões para convencê-los a ficar! Mas se tornarmos esse comércio uma ameaça para o Yahoo neste momento delicado, Marissa poderá perder mais funcionários ainda mais rápido, e vai reconsiderar os custos de continuar vendendo os chifres de sangue dos elefantes.

Cerca de 100 elefantes são mortos diariamente para suprir a demanda dos consumidores. E, por serem animais inteligentes, eles sentem a dor e o horror de terem seus chifres arrancados.

Por isso, vamos juntar um milhão de vozes para proteger essas criaturas -- a Avaaz vai colocar anúncios publicitários focados em empregados do Yahoo ao redor do mundo, exigindo mudanças internas para acabar de uma vez com este comércio cruel. Adicione sua voz.

Compartilhe nas redes