quinta-feira, 25 de março de 2010

Vitor Gomes

 

Como esquecer os " Siderais " ou os  " Gatos Negros " mesmo decorridos tantos anos?

Por onde andarão tantos e tantos nomes desses anos inesquecíveis.?

terça-feira, 23 de março de 2010

Um tema lindo por Kate Bush


           O monte dos ventos uivantes; Original da escritora britânica Emilly Bronte.Datado de 1847.


 Wuthering Heights. Muito gosto de ouvir esta voz. Em todo o lado o vento transporta consigo aquilo que dele se espera.Neste caso Kate com o extraordinário registo vocal que lhe é apanágio leva-nos ao cimo do monte onde o vento " uiva ".

segunda-feira, 1 de março de 2010

na caça

               


                                                      Imprevista...Apesar de tudo.




 uma paragem espectacular do pointer.Uma ordem breve para avançar.Salta a galinhola do mais cerrado matagal para delicia do caçador.






Aguarela
Formato. 42,5 x 32,5.
Adquirido                                           

                                    

No Monge

               A bela galinhola!


  Na Serra de Sintra, sob os velhos cedros, repousa a galinhola.Um raio de Sol acaricia o seu corpo.



Acrilico s / tela.
Formato: 12 x 15.
Adquirido

praia do Peixe



                                                    Baseada, esta obra, numa minha antiga fotografia.




Da  estrada Marginal captei esta imagem de Cascais.Ainda não existia o pontão agora em frente á casa Seixas.O Hotel Estoril-Sol ainda era uma realidade.Estamos nos idos de setenta.




 Acrilico S / Tela
Formato. 46,5 x 38,5.

Conservando o que deve ser conservado

 Assim se recordou alguns registos .Espero ter conseguido com isto, manter vivo, em mim, o desejo de descobrir mais e mais maravilhas e compartilhá-las aqui. Continuarei a fazer o possível!

 Servatis Servandis .

                                    
    ( Conservando o que deve ser conservado...Por sua própria vontade )                                                                   
                                                 Sponte Sua !
       



                           

Um Ilustre habitante de Cascais no século XX

Vejo-o muitas vezes,na caminhada do seu passeio higiénico da manhã,bastando que haja uma nesga de sol a dourar o céu azul.Páro,dou-lhe um abraço de respeitosa e sincera amizade,e pregunto-lhe com interesse de verdade:
- Como vai?
- Bem.
   E segue andando,um pouco curvado,naquela curvatura que da terra mãe apróxima o corpo mortal,mas desembaraçado,lesto,observador,como não sabem nem podem caminhar muitos homens novos,precocemente velhos
  E no entanto são noventa e um anos de vida que vão caminhando, todas as manhãs numa volta pelos Estoris,com ladeira,pela Bôca do Inferno,em que tambêm se sobe, pela Ribeira das Vinhas, em que as curvas e as pontes em degraus se sucedem,pelas estradas de Cintra e da Malveira ---por todos os arredores de Cascais, em suma, com panoramas diversos, de mar infinito, o trilho dos mundos,e das serras culminantes, que se avisinham dos céus.
  Quási um século, cheio de tantas cousas, e nêsse tempo de vida, uns setenta e cinco anos, pelo menos, de vida trabalhada e trabalhosa, de vida honesta,disseminando doutrinas boas,praticando o bem; trabalhando sempre,sempre, porque o antigo vogal do Conselho Superior de Agricultura, doutor em Filosofia,o sábio director do Museu Agricula e Florestal,o autor da Zoologia Elementar Agrícola,o autorizado cronista técnico do Jornal do Comércio, o respeitado comissário régio da 7ª região agronómica, o elaborador do notabilíssimo relatório desta comissão,documento que certifica da superioridade do seu critério,ainda hoje trabalha,ainda hoje colabora no Correio de Europa,e nas minhas estantes, religiosamente,tenho inéditos seus,por me obsequiar com êles dispensando-se de os dar à publicidade -distinção que me condecora nos meus poucos desvanecimentos!
...Mas o floricultor?
Tambêm o é,baixando da teoria à pratica com os cuidados de devoção do seu espírito superior,que se compraz em cousas simples.
Eu lhes conto.
Em chegando à estação de Cascais, desçam pela Avenida Valbom, que aínda conserva  o nome antigo, quási  excepcionalmente...
 A direita, bem cuidados,mal cuidados, com gôsto e sem gôsto nenhum, encontram-se jardins,circundando chalets. 
Pois a última casa, a que termina a fila, modesta, sem ornatos nem brincados,em linhas rectas,é a do dr: Paulo de Morais,com um pequeno terraço e, ladeando para uma travessa, com um pequenino pátio.
 Sustenham o passo: olhem, examinem. É tudo pequeno, mas é tudo perfeitíssimo, no cultivo das flores que se sucedem na dinastia florícola das estações. ( ... )

    Basta, porque o leitor conclúi  que não é sómente o descritivo de um professor; é tambêm,e principalmente, um quadro de poeta.
   E que pela denúncia nos desculpe o venerando amigo, tão respeitável pelo saber como pelo caractér.

 Cascais -- 1916 .    

Sérgio de Castro. -----( Homens de letras e as flores )










Avenida Valbom nos dias de hoje








                                              Podemos vêr a Av: Valbom na actualidade.

 Julgo,não posso ter a certeza, que a casa do dr: Paulo de Morais a que o autor da brilhante descrição que transcrevi antes se refere,  poderei situá-la nesta praceta ou rua situada entre estes prédios, ao fundo da Av: Valbom.


Fotos de 4 de Fevereiro de 2011.
                                          

Amor / Coração / Flores...



                       Ivete sangalo. Uma linda voz para uma bela letra.

Memória

                     


                        Amar e não ser amado
                        é cruel desilusão.É caminhar desamparado,perdido,
                        na escuridão. Mas vêr vir a mulher amada,ainda que
                        lhe seja indiferente,é como vêr nascer o sol depois de
                        uma noite fustigada por um temporal inclemente. 

     

             
  Acrilico S/ tela.
 Formato: 35 x 25

    



                      

O meu amigo Tiago

   


               No campo da Qtª do Pisão o meu amigo Tiago olhava pelo seu rebanho.
          Contava ele as narrativas do campo e eu, as da cidade. Ambos     queriamos saber as novidades,ambos faziamos uns silêncios prolongados afim de dar ouvidos ao outro.




Acrilico S/Tela.
Formato:40 x 30.



.

O mês de Janeiro

Janeiro fora,crescem os dias uma hora.
Janeiro frio e molhado enche o celeiro e farta o gado.
Ao galgo mais lebreiro,foge a lebre em Janeiro.
Ao luar de Janeiro,vê-se a raposa no outeiro.
Ao luar de Janeiro se conta dinheiro.
Não há luar como o de Janeiro nem amor como o primeiro.

 
 

Um dia no Verão?







 
        Ao longe uma coluna de fumo eleva-se da Serra de Sintra vinda da zona do Rio Touro.
        Que se passa? Incêndio?
       
       Era uma queimada controlada. Afinal estamos no princípio de Fevereiro

Fotografias obtidas ao inicio da tarde do dia 7 de Fevereiro de 2011.





               

Gato



 Este lindo gato muito me ajuda nos momentos em que se exige dar repouso ao corpo.



                       Bino. fevereiro-2011

Cascais. "Rua Direita"

Rua Direita ( Lado da Rua Visconde da Luz ) ou poente.

                       Todas as terras têm a sua Rua Direita. Nós não fugimos à regra.
                       Seja lá pelo que for o que é facto é que, tal como os outros,
                      também rebaptiza-mos o arruamento.Assim:
                  
                                                            " Rua Frederico Arouca."
Rua Direita. Vista de nascente.
                      ( antiga Rua Direita) por deliberação da Câmara Municipal de Cascais,
                       em 29-11-1940.


                
                Frederico Arouca- estadista ilustre,foi Ministro das Obras Públicas e um grande amigo de  Cascais,concedendo grandes benefícios que marcaram o inicio do seu progresso.Esta rua chamava-se,em 1755,Rua Direita da Conceição.No dia12 /06 /1890, a Câmara Municipal deliberou mudar o nome para Rua Frederico Arouca,e em 02 /11 /1910, torna a mudar o nome 
para Rua José Elias Garcia e assim ficou até 29 /11 /1940 .Frederico Arouca morreu no Monte Estoril. 

Foto obtida em 4 -2-2011