terça-feira, 31 de maio de 2011

O lenhador

                                                                   Um misero lenhador,
                                      Que oitenta invernos contava,
                                      Com um feixe de lenha às costas
                                      A passos lentos andava.


                                             Pela idade enfraquecido,
                                      Além do sustento escasso,
                                      Tropeçou, caiu-lhe o feixe,
                                      Fazendo um golpe num braço.


                                             Depois com pranto nos olhos
                                      Alguns alentos cobrou,
                                      E refletindo em seus males,
                                      Sentado, assim declamou:




O lenhador
                   

                                             " Mais do que eu sou, infeliz,
                                      " Não há no globo um vivente,
                                      " Trabalho mais do que posso,
                                      " E vivo assaz indigente.


                                             "  Pouco pão, nenhum descanso,
                                      " Uma existência oprimida,
                                      " Ah! que não vejo quem tenha
                                      " Tão dura e penosa vida !


                                             " Filhos maus, mulher teimosa,
                                      " Más pagas, duro credor,
                                      " Rendas de casas, impostos,
                                      " Não há desgraça maior !


                                             " Vem, ó morte, ó morte amável !
                                      " Socorre a quem te apetece !
                                      Eis o esqueleto da morte
                                      De repente lhe aparece;
                                                                                   
A Morte
                                                     *                                

                                             E diz: " Mortal, que me queres ? "
                                      Torna-lhe ele de mãos postas:
                                       " Quero, amiga, que me ajudes
                                       " A pôr este feixe, ás costas. "


                                              Na dor deseja-se a morte;
                                        Mas quando vem faz tremer;
                                        Que é dos viventes o instinto
                                        Antes penar que morrer.

                                                                                                Semmedo
                                                                                                Lisboa,Fevereiro de 1881. 
  *  Web Site desta imagem : agatafm.org                                     

sábado, 28 de maio de 2011

A Peninha

Ontem fui até á Peninha desde aqui do Cobre sempre em bicicleta. Pelo meio da serra fui observando e registando a paisagem...

A seguir a Vale de Cavalos

A encosta Sul
                                                            
      Ao redor dos caminhos  reparei na infinidade de flores e de centos de borboletas ao seu redor. Mais á frente fui até a uma velha fonte. Que bem me soube nela beber!

                                                                             
a fonte à vista
a bela água aqui tão perto
         Continuei o meu caminho até ao Santuário da Peninha que avisto lá no alto.

lá no alto...
mais perto

lado poente

                                                                  ...e por fim a Peninha.

O Santuário da Peninha faz parte de um vasto conjunto arquitectónico formado pela antiga ermida de São Saturnino ,fundada por D. Pêro Pais na época da criação do Reino de Portugal e pelo palacete romântico de estilo revivalista, que relembra uma fortificação, tendo sido construido em 1918.Recente pois,e ao que julgo saber por um capitalista de seu nome ou alcunha o " Monteiro dos Milhões ".Numa outra ocasião abordarei este caso. Prosseguindo com a ermida de aparência tão reduzida a de São Saturnino escondida em plena serra de Sintra representa ( ou representava ) uma importante igreja de peregrinação, envolta numa atmosfera religiosa de contornos considerados " mágicos " uma vez que se admite, no conceito religioso da época, o Cristianismo, ter a mãe de Cristo por aqui aparecido a uma pastorinha. Será mais um tema interessante a descrever pois é, em minha opinião, uma lenda curiosa sob muitos aspectos.
   A capela que hoje se pode encontrar, terá sido construida no século XVII, por frei Pedro da Conceição, contudo, a sua decoração terá sido levada a cabo até 1711, data que consta no painel de azulejos do tímpano sobre a porta de entrada. Claro que cabe registar que todo o interior deste monumento está vedado  ao publico.                                                                                              

A princípio era assim.

               Tal como tinha dito fui à procura da minha antiga máquina de filmar, ei-la.

Eumig

Super-8
                                                             
           Trata-se de uma Eumig super 8 com mais de 40 anos. Adquiri-a a um amigo quando tinha 17 anos.
           Como nota curiosa o facto de ter sido fabricada na então Alemanha Ocidental como é registado desta forma : *  Made in West- Germany .*  Eram então objectos raros e caros que nos divertiam quando o futuro todo era promessas. Os tais bons velhos tempos.Vem isto a propósito de um novo filme que este verão será estreado por cá, o " Super-oito " de Steven Spielberg do qual editei a única imagem disponibilizada pela produção. Segundo é dito um grupo de miúdos como eu, e outros dos anos setenta, diverte-se a realizar a sua producção quando filmam um acidente grave. Daqui resulta a história do filme que deve ser interessante pois envolve algo relacionado com a " famosa " Área 51 que é como sabemos uma remota zona dos Estados Unidos onde a Força Aérea tem bases e realiza, dizem, experiências um tanto ou quanto secretas que envolvem uma segurança extrema quanto ao acesso àquela região. Edito a propósito uma foto de uma placa de aviso para que vejam como são rigorosos quanto a intrusões.

AREA 51
                                           
                                                  

sexta-feira, 27 de maio de 2011

MORS - AMOR

                                                  
                                     Esse negro corcel, cujas passadas
                         Escuto em sonhos, quando a sombra desce,
                         E, passando a galope, me aparece 
                         Da noite nas fantásticas estradas,


                         Donde vem ele? Que regiões sagradas
                         E terriveis cruzou, que assim parece
                         Tenebroso e sublime, e lhe estremece
                         Não sei que horror nas crinas agitadas?


                         Um cavaleiro de expressão potente,
                         Formidável, mas plácido, no porte,
                         Vestido de armadura reluzente,


                         Cavalga a fera estranha sem temor.
                         E o corcel negro diz: " Eu sou a Morte ! "
                         Responde o cavaleiro: " Eu sou o Amor! "*

                                                                                                    

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Super 8

 Ao deparar com esta cena lembrei-me da minha velha câmara de super  8. De facto o tempo passa muito depressa!

Mistérios da Humanidade
                                 
 

Steven Spielberg
" Super 8 "
                                                      

terça-feira, 24 de maio de 2011

Amor é...


                                                         O Amor é...
                                  Uma paixão cega
                                            
                        que põe uma venda a todos quantos
                                      domina. 


Podeis estranhar ter anexado a este " pensamento " uma foto de diversas árvores. No entanto, aquela, a mais central, tenho por ela um carinho único.Está no cimo de um cabeço da serra de Sintra na sua vertente sul. Avisto-a de muito longe há já vários anos sobressaindo das demais. Hoje em dia começa a ficar absorvida pelas restantes, algumas suas descendentes.Sobrevivente de vários acidentes mereceu-me esta árvore um lugar no coração.Esperemos que o futuro lhe seja favorável. 

FLOR DE AMIZADE

                                 

                                                  Pedir viço à penedia
                                 Ao ramo seco uma flor,
                                 Pedir ao triste alegria,
                                 Ao gelo pedir calor,
                                 Pedir luz à treva escura,
                                 E trevas à manhã pura,
                                 E constância à formosura,
                                 Não é d,homem de razão;
                                 Mais do que isto se descobre,
                                 Que não é pedido nobre
                                 Ao trovador, que é tão pobre,
                                 Pedir mais que o coração.

Papoilas em Maio. Quinta do Pisão.
                                        
                                               O coração, se lho queres,
                               Com ambas as mãos to dá;
                               Não lho entendem as mulheres,
                               Só da amizade será;
                               E não lhe peças mais nada!
                               Se por ser tão malfadada
                               Faz a oferta desprezada,
                               Despreza o dono também;


                               Mas olha que mal despreza
                               O que engeita esta pobreza,
                               Pois dá mais do que a riqueza,
                               Quem dá tudo quanto tem. *

                                                                                      * João de Lemos
                                                                                         Cancioneiro ( Flores e Amores )

          

domingo, 22 de maio de 2011

Mais.

                     O amor deseja alcançar tudo e depois deseja mais ainda

Dia do Autor Português ( 22 de Maio )

Apetece comemorar este dia de forma efusiva.Todos os que de uma forma ou de outra por aí andamos neste universo de criatividade somos, sem dúvida, autores portugueses. Aqui por este meu espaço vou tentando manter e actualizar algumas facetas do dia a dia não descurando claro, o que me rodeia.
Pelo caminho...
                   
                                                      
Hoje de manhã fui fazer um pouco de exercício físico ou seja fui fazer b.t.t. até à serra. Vim de lá maravilhado com o que vi. Acho interessante que na zona sudoeste do Parque da Pena, na base ocidental da encosta da Cruz Alta se situe o Lago de Cascais. Faz fronteira com a zona da Regueira das Perdizes, adjacente à Quinta de Vale Flor. Esta independente da Pena.
Em plena serra.
                                          


sexta-feira, 20 de maio de 2011

amar

                                                     

                                                      Amar é uma necessidade do coração.

O Primeiro voo entre Nova Iorque e Paris sem escala.




 Parece impossivel, hoje que a humanidade viaja entre continentes em questão de poucas horas, hoje que já envia missões tripuladas para o espaço, pensarmos que faz hoje precisamente oitenta e quatro anos que  o aviador Charles Lindeberg  um norte-americano efectua o primeiro voo sobre o Atlãntico sem escala. A viagem, entre Nova Iorque e Paris, no avião Spirit of St. Louis, demora trinta e três horas e meia. Termina no dia vinte e um, como já referi, em Paris esta viagem solitária. O que não teria visto e vivido este homem nesse aparente curto espaço de tempo. Mas em que coube uma vida. Decorria o ano de 1927.


                       

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Para mim tu...

                                                    

                                        Para mim, a Beleza, o Amor, A poesia
                          Tem as mesmas linhas
                          Possuem o teu próprio nome.        
                                   


                                 
                                       
       

                                                               

Bem vindos



A primeira aguarela.Para este efeito recorri aos conjuntinhos escolares.Aqui está a,para mim,tão querida galinhola (scolopax rusticola).Data esta aguarela de 2006.                         

                                
Enquanto autodidacta, tem sido uma jornada gratificante ao longo dos últimos anos, no sentido em que tive a felicidade de poder expor as minhas  obras anualmente nas festas de aniversário do Grupo  Chesol e no passado ano, a convite, nas festas de Pavia.  Igualmente em Monforte na Junta de Freguesia.Tentarei proporcionar uns momentos de relativo bem estar a quem se der ao incómodo de percorrer estas páginas,retiradas ao acaso do livro da minha vida    .Muito obrigado.



Particular ( Colecção )


Cascais de autrora.



Fonte de Birre

Fonte de Birre



                                          Estavamos em meados do século XX.
                                             
      " Ali na fonte de Birre, no dia da abertura, Juntavam-se quase todos os caçadores de Cascais. Eram o D.Frederico Amial, o Dr. Crespo, os Praias, os Arnosos,o Ereira e os Vilares, os Cardadores, era o pai do João, e o próprio João, o António Crespo, o Fernando Ferraz, o Jaime Amial, o André Pais.
   Naquele ano até o velho Visconde de Atouguia lá estava, tendo ao lado, sentado com muita compostura, o seu fiel Tejo.
   De Cascais tinham ido, com os almoços, duas carrocinhas puxadas por burros, que chegaram primeiro que os caçadores.
   Aquela almoçarada na fonte de Birre, no dia da abertura, era uma velha tradição. Ali se juntavam os melhores e os mais conhecidos caçadores. Encostavam-se as espingardas ao muro da vinha, fazia-se uma grande roda, punham-se no meio os cestos, donde cada um se servia à vontade. Era uma espécie de almoço comunitário. João adorava aquele almoço, as histórias de caça contadas pelos caçadores mais velhos, as espingardas que o maravilhavam como as Purdays e as Holands.
   Além do João Cardador, também lá estava o António Pé-Leve, que caçara muitas vezes com o Rei, e era filho do primeiro Pé-Leve, cuja alcunha lhe tinha
sido posta pelo Rei D.Luís.
   Augusto Lopes, o primeiro da dinastia dos « Pés-Leves», quando encontrava as primeiras galinholas, depois da chegada do Rei, em geral por meados de Outubro, não as caçava, guardando-as para D. Carlos, sabendo que ele gostava muito de as ir levantar. Então ia à Cidadela onde dizia à sentinela: " Diga a Sua Magestade que está uma galinhola ( ou uma bicuda ), que era como o Rei as chamava, no Cabeço das Rolas e ficava à espera da resposta que muitas vezes não se fazia esperar; " O Pé- Leve que espere, que Sua Magestade vai já com ele à Marinha ".
   A história dessa alcunha é muito interessante e a família Pé-Leve tem o maior orgulho nela, considerando-a como um título.
   O Senhor D. Luís, pai de D.Carlos, quando ia à caça levava muitas vezes consigo Augusto Lopes, por ser um óptimo caçador, e sempre que o levava reparava na sua resistência e na facilidade com que saltava os muros de pedra solta que abundavam no concelho. E um dia o Rei, comentando isso, disse: 
" Aquele Lopes é formidável, tem mesmo o « pé leve ». Depois, quando queria mandar-lhe algum recado, dizia: " Digam ao «Pé-Leve».Fora assim que a alcunha ficara. (...)
   Aqueles almoços de Birre eram democráticos, juntavam-se ali todos os caçadores, sem qualquer distinção de classes, desde os fidalgos até ao povo.A hierarquia que ali se respeitava era a hierarquia venatória. A quem caçava e atirava melhor é que era dada a maior importância, mantendo assim a tradição que vinha do tempo do Rei D. Carlos, que acamaradava muitas vezes com os melhores caçadores de Cascais, independentemente da sua classe social.


" Daqui a pouco onde é que os caçadores podem caçar? " Dizia o velho Visconde de Atouguia no meio deste almoço. No entanto, naquele tempo,as casas eram raras e o terreno de caça era quase todo.O que seria dele se tivesse visto,como nós agora vemos, o concelho de Cascais quase completamente coberto de casas, sem um único sítio onde se possa esconder uma perdiz? *

" Os Valares "
 Pedro Falcão
 Edição da A.L.A Associação de Letras e Artes.
 "  "    " da Junta de Freguesia de Cascais.                         

terça-feira, 17 de maio de 2011

Vai serenamente por entre a agitação e a pressa...

                                                                                                                                   
           Desiderato.  Aquilo que se deseja ; aspiração. ( do latim desiderandum. « id »).
            Texto encontrado na velha igreja de Saint Paul, Baltimore.




AMA

                                     Ama pouco quem pode dizer quanto ama. *


                                                                                                             *   PETRARCA

O que parece é ?

 No dia 13 de Maio em Fátima, enquanto decorriam as cerimónias habituais na data foi avistado no céu  um halo.
Este halo foi observado por mim quando fazia b.t.t. na serra de Sintra ás 12 h 40" do dia 26/5/11.

                           

                                                        
Como sempre sucede, e, em regra, não há nada de novo  « debaixo » do Sol. Vejamos o que diz o eminente meteorologista Manuel Costa Alves no seu belo livro " Mudam os ventos, mudam os tempos " editado em 2002 pela Gradiva :
" ...Ao começo da tarde do dia 27 de Maio de 1995, os habitantes da área da Grande Lisboa ficavam estupefactos com o que viam. Um imenso halo em volta do Sol que deixava uma extensa área de sombra no seu interior. Um acontecimento pouco comum que colocou no ar muitas interrogações e estranhos presságios que a aproximação do final do segundo milénio da nossa era acentuou.
   Tratava-se, afinal, de um fenómeno óptico provocado pela refracção da luz solar nos cristais de gelo que formam as nuvens com bases mais altas--cirros e cirrostratos. Este grande halo, também designado por halo de 46º, forma-se devido ao desvio de 46º que sofre a radiação quando incide com ângulos de 90º nas faces dos prismas hexagonais que constituem os cristais de gelo, provocando a separação cromática da banda do visível, com o bordo interior vermelho do círculo mais bem definido do que o azulado do bordo exterior. Afinal de contas, sensivelmente o mesmo resultado que se obtém no caso do arco-íris, embora por causas diferentes e com disposição inversa das cores. O halo mais comum, o pequeno halo de 22º de raio angular, resulta de um ângulo de incidência de 60º 
e , quando se forma à volta da Lua, raramente se observa a separação das cores e o resultado salda-se por um círculo brilhante, mas branco."


Segue Costa Alves detalhando aspectos técnicos que omitirei prosseguindo mais adiante...
O mesmo halo

de um outro ângulo

                                                                    
mais uma fotografia. Aqui vemos uma "névoa "causada por um avião que pouco antes  passou.
                                                
 "  Os primeiros imperadores romanos cristãos transportaram esta visão aureolar do céu, a que era atribuido sinal divino, para os retratos que lhes asseguravam uma relação com a
posteridade. Em meados do século IV, a representação de Cristo já continha este atributo e 100 anos depois aparecia já na figuração dos anjos. No século VI, o halo passava também a ser utilizado na simbolização da Virgem Maria e dos santos. "

 Tendo em vista estes esclarecimentos que mais resta a nós simples mortais?

Créditos fotográficos .Deste blog. 








segunda-feira, 16 de maio de 2011

Lembremo-nos

                       Ó mães que embalais os filhos
                       Com olhar de amor profundo,
                       Devagar! Num berço, às vezes,
                       Anda o destino do mundo.*
                                                                              * Julio Brandão 




                               
                           






                           Gravai na vossa lembrança,
                       E meditai com horror,
                       Que o homem sai da criança,
                       Como o fruto sai da flor. *
                                                                           *  Guerra Junqueiro
                      
                                                              

                     

domingo, 15 de maio de 2011

Negócio 100 % Lucrativo





... Seria a  compra de certas personalidades que nos rodeiam na sociedade mas...!!!

Comprá-las pelo que elas valem e vendê-las depois pelo valor que elas imaginam ter.  
                                     

Efeméride

Hoje 15 de Maio é o dia Mundial do Objector de Consciência e, igualmente, o dia Internacional da Família.

sábado, 14 de maio de 2011

Uma paisagem deslumbrante

Zambujeiro

Pisão de Baixo ( vista do Cabreiro )

         Volta e meia gosto de colocar por aqui alguns locais que considero lindissimos.

Sexta feira 13

Chegou agora ao fim este dia 13 que por ser a uma sexta feira deveria ser de azar. Para mim não foi e nem o contrário. Diria normal se dentro da normalidade couber uma passeata de bicicleta pelos arredores.Umas fotografias, um bom almoço e jantar. O ter ido pela tarde a S. Pedro do Estoril em viagem de negócios ( que correram bem ) Olhar os meus familiares chegados todos de saúde pois até a minha Mãe com 86 anos assim me pareceu na visita que recorrentemente lhe faço. Os meus animaizinhos de estimação todos felizes.Um dia de Sol e calor que permite olhar a minha agricultura em franco desenvolvimento.
Venham então mais dias assim!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Meditando




          Dois corações profundamente unidos quando se separam, dilaceram-se.

Deve existir


                                                     Deve existir uma outra
                                                     noite
                                           onde caibamos todos


                                   Inocentemente felizes
                                   a comer laranjas
                                   e a discutir problemas de aromas
                                   de flores *


                                                                                                        *  Francisco Duarte Mangas
                                                                                                             " Pequeno livro da terra "






                  

EXALTAÇÃO

                                         És onde bebo a luz e a madrugada
                                 Perdido entre essas coxas de cetim
                                 A tua boca fresca e aveludada
                                 Onde há restos de seiva e de jasmim


                                 E os segundos contigo duram meses
                                 E é só vida toda que te peço
                                 Depois de ter morrido tantas vezes
                                 No peito triunfal que não mereço
                                                  

                                 O teu sabor a fruta e a saudade 
                                 De musa favorita dos aedos
                                 Exalta em mim de novo essa vontade




                                 Volúpias fantasias e segredos
                                 Tu és um vendaval de claridade
                                 Que incendeia a língua dos meus dedos *


               * Fernando Tavares Rodrigues
                 XXI SONETOS DE AMOR
                 Hugin 2005


                                

A noite chegou.

Quarto crescente
                                        

                                                              Noite desejada e amada
                                                              Temida e respeitada
                                                              Trabalho e prazer
                                                              Repouso e lazer


                                                              Sentimentos claros
                                                              Projectos adiados
                                                              Corpos cansados
                                                              Amores transviados


                                                             Noite formosa
                                                             Noite tormentosa
                                                             Noite ambiciosa
                                                             Noite amorosa