terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Bocadinhos da História de Cascais.

Desloquei-me a Cascais como faço regularmente afim de regularizar alguns assuntos  aproveitando o ensejo para observar as exposições patentes " aqui " e "ali ". Neste contexto não pude deixar de observar a agora presente na Junta de Freguesia intitulada : " Bocadinhos da História de Cascais " na qual os  autores expõem as suas obras de pintura e fotografia.   Maria José de Bragança  de uma sensibilidade de temas para com vários "espaços" desta terra que a fascina. Alguns deles  vi reproduzidos nas suas telas.
Em frente ao edifício da Junta de Freguesia *

   António Miguel de Medeiros Correia com as fotografias obtidas por telemóvel transforma aquele acto banal num interessante exercício de arte.
 Dei por bem empregue o meu tempo. Obrigado a ambos.

* Foto- Zé Pinto lopes

Vaga de frio para os nossos lados ?


temperaturas baixas 



                                                 Descida acentuada da temperatura

              
 
A ação de uma massa de ar fria transportada na circulação de um anticiclone situado no Norte da Europa, deverá afetar o estado do tempo em Portugal continental, a partir de dia 3.
Assim, o Centro de Previsão do Instituto de Meteorologia prevê, para o continente, uma descida significativa dos valores da temperatura do ar na ordem dos 6ºC a partir dessa data.
Esta situação deverá manter-se até dia 7, altura a partir da qual se espera uma subida gradual dos valores da temperatura.


O IM sugere o acompanhamento desta informação através da sua Pagina WEB

Im em 31-1  - 2012


 Ps- Hoje, dia 1 de Fevereiro, seriam exactamente vinte horas choveu finalmente aqui no meu Cobre e, presumo, que em Cascais também. Como a chuva veio do quadrante noroeste não foi água de muita rega. Infelizmente. Aguardemos melhores dias. O frio avizinha-se!

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Victor Hugo e Adeia ( Amores famosos da História e da Literatura )


  Eram ainda crianças quando se conheceram. Estreita amizade unia as famílias Hugo e Foucher. Aos dezessete anos começa a brilhar a precoce glória do Poeta e nasce também a paixão entre os que haviam sido companheiros de folguedo. seus amores não teriam deixado vestígios na História se não fora Adela ter conservado zelosamente todas as cartas que o namorado lhe escrevera, cartas maravilhosamente inflamadas, que o público poude conhecer após a morte do Poeta.

O amor é algo que nos une ao universo. * 1
                                       
   Essas cartas reunidas numa colectânea intitulada " Cartas à noiva " mais não falam que de amor e por isso mesmo são um exemplar raríssimo e puro de amor ideal. Desde sempre Victor Hugo quer Adela por esposa e lutam entre dificuldades de ordem familiar até verem realizado seu desejo de união. desde a primeira carta Victor Hugo subscrevia sempre teu marido, querendo assim unir-se de forma irrevogável à sua adorada.
 " Não há sacrifícios de que não me sinta capaz por ela, por um sorriso dos seus lábios, por um olhar dos seus doces olhos" - disse o Poeta.
  E suas missivas estão cheias de deliciosas advertências comuns a todos os namorados:
 " Não dances com outro, não regaces tanto a saia ao cruzares a rua..." Não sorrias a ninguém..." Apaixonado e ciumento declarou em certa ocasião:
 " Nada peço, nada quero das mais mulheres da terra. Porém, que nenhum homem se atreva a pedir um só olhar à minha ..."

                             " O amor é qualquer coisa que a inteligência humana não pode governar nem dirigir " * Arnold Bennettt

1* Fotografia de minha autoria.Vemos a ribeira de Luceféce perto das Hortinhas ( Alandroal) no fim de semana de 20 de Janeiro deste ano.

                        

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Carta a um velho amigo.

Desde sempre me olhaste nas minhas correrias de criança e depois de adolescente várias vezes por ti passei sem sequer para ti olhar.Além de mim também os meus amigos e, porque não, aqueles companheiros caninos de todas essas épocas hoje remotas. Meus Pais, padrinhos, tios e avós por ti se cruzaram e a todos deste certamente um pouco de sombra além do peculiar aroma das tuas ramas e folhas, meu velho. De igual forma vistes sob as tuas vetustas ramagens passar minha esposa e meu filho e ainda hoje os vês. Como te agradecer ? Agora reparei finalmente em ti. Estás velhote como eu, e, como eu, também te cortaram alguns ramos que pensaram não fazer falta. Assim seja ! Por outro lado ambos vimos desaparecer à nossa volta muitas referências naturais para erguerem casario e ruas. Referências familiares já partiram muitas, minhas e tuas decerto.Que lástima ser assim...mas amigo cá andamos ainda e tu, espero, sobrevivas mais uns largos anos com muita saúde como aparentas. Serei sempre teu admirador e amigo ou não fosses já adulto quando eu era criança. Abraço-te velha árvore como abraçaria meu Pai.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Cascais. Fim. ???



Tsunami do Cumbre Vieja (http://donsnotes.com)


Existem cada vez mais indícios de que estamos prestes a assistir a um Tsunami de proporções históricas. O problema reside num vulcão das ilhas Canárias que os vulcanologistas acreditam estar prestes a entrar em erupção.                    
                                                
O vulcão em questão é o Cumbre Vieja, cuja erupção pode provocar um deslizamento de terras de proporções históricas o qual criaria um mega-tsnunami nunca antes visto. Esta onda gigante deslocar-se-ia pelo Atlântico a uma velocidade de 500 km/h, chegando à costa leste dos EUA ainda com 50 metros de altura.
A erupção do Cumbre Vieja pode ser desencadeada pela do El Hierro, a apenas 128 km de distância que está agora em alerta de erupção. Será esta erupção que vai atirar para o oceano uma grande parte da ilha criando uma onda com mais de 900 metros de altura. Em menos de dez minutos, a onda chegará a Portugal e destruirá numa proporção inimaginável – mesmo comparando com 1755 – a nossa costa.
Não se trata de saber se este mega-tsunami vai acontecer ou não. Trata-se de saber quando vai acontecer, concordando nisto todos os vulcanologistas. Perante esta ameaça, que, ainda por cima, pode estar iminente, devemos todos precavermos, mantermos em casa um kit de urgência, com medicamentos, mantimentos e água engarrafa e se vivermos em zonas costeiras… estejamos atentos.
Fonte:
http://www.terradaily.com/reports/Could_a_Mega_Tsunami_Wipe_Out_the_Eastern_Seaboard_999.html

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Portugueses. Há muitos, muitos anos...


 Um certo dia, em Coimbra, estando um fidalgo português conhecido pelo seu mau génio,Fernão Mendes, ou o " Bravo Braganção ", a comer diante de D. Afonso Henriques, o Rei e os outros que com ele estavam " riram-se de uma pouca de nata que caíra pela barba a D. Fernão Mendes, e D. Fernão Mendes houve tão grande sanha d'el Rei que se quis avir com ele ... "
  Ia sendo o fim do mundo. Para domar aquela fera, que espumava e rugia por causa dum pedacinho da nata, foi preciso que D. Afonso Henriques tirasse uma das infantas suas filhas ao homem com quem casara para a dar ao Braganção.
                                                                    
  Quando estas criaturas gigantescas, galeadas de ferro, bárbaras como figuras de pano de Arrás, chegavam finalmente às mãos, a violência e a fulguração do seu choque transiam e arrepiavam. Muitas vezes, dum só talho de espada, um dos contentores ficava sumariamente partido pelo meio.
  Foi o que sucedeu a certo escudeiro de Fernando o Santo, de Leão, que um dia teve a imprudência e o mau gosto de desmentir um hercúleo fidalgo português, Gonçalo Roiz de Palmeira, nem mais nem menos do que quarto avô de Nun' Álvares:

" alvorouço-se o paço, saíram-se dele, e Gonçalo Roiz deu-lhe com uma espada por cima do ombro, que o tallhou até à cinta "    *


 Extrato de " O duelo e a briga em Portugal "
 Edições --- Apenas- livros ldª.



  

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Fóruns.

Ocorreu-me reflectir um pouco acerca destes espaços.Interessantes alguns outros talvez nem tanto mas normalmente espaços abertos às leituras dos seus conteúdos havendo regra geral um senão ( como sempre, não há bela sem senão ) e que é o de ter o leitor ou visitante, caso queira opinar,  proceder a uma prévia aceitação das regras da " casa". Até aqui tudo bem. Os problemas surgem depois quando editamos o nosso comentário e este não agrada aos senhores moderadores/administradores e outros que tais. É vê-los a debitar sapiência e erudição quando não má educação precisamente o oposto do que diziam pretender se fizesse quando estimulam a troca de ideias mesmo que técnicamente menos abalizadas. Isto quando em tópicos abertos por membros do fórum com finalidade de abordar determinado assunto não são esses mesmos auto proclamados guardiões da ordem e da análise os primeiros a intervir com observações menos próprias e quiçá inadequadas sem que alguém  lhes chegue a "caneta ao pelo" sob pena de exclusão. No meu caso como gosto de informar e ser informado tenho deparado com alguns destes casos e é com conhecimento de causa que falo. A ser assim e como felizmente a internet está repleta de muitos e bons fóruns só temos de ir em busca deles.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Aldeia de Juzo.

Capela da Aldeia

 Aldeia de Juzo. sempre me interrogo do estranho facto de ser esta a unica localidade que conheço, aqui de Cascais que mantém a palavra " aldeia ". Quem me dera que o meu Cobre, por ex: tivesse essa designação oficial pois também ele foi em tempos recentes a Aldeia do Cobre. Outra coisa que me intriga é o porquê de " juzo ". O Iminente Prof: Dr. José d'Encarnação não tem dúvidas em afirmar que tal se deve ao posicionamento desta em relação à sua vizinha Murches. Para distinguir uma aldeia da outra. Afirma este grande biógrafo da nossa terra que se deveria escrever " juso " e não  " juzo " porque juso deriva da palavra latina " jusum " ou seja " abaixo ". E " suso " acima. E que dizer então do nome porque era conhecida nos princípios do século XX ?  Diz-nos Eduardo Montufar Barreiros ao recordar as suas caçadas  às perdizes  ( " ...e, em Cascaes, as da Ribeira das Vinhas, Birre, Aldêa de Juz ... " ) Enfim um sem número de interessantes escritos de pessoas que sabem.


Fontes bibliográficas.  Cascais e os seus cantinhos
                              Autor: Prof: Dr. José d'Encarnação
                                        Caça - 1900  Momento Venator !...
                                        Autor- Eduardo Montufar Barreiros:  Bacharel formado em direito pela Universidade de Coimbra.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Cascais

Margem da ribeira das vinhas,mês de Novembro       * 1
 Obtive esta fotografia um destes dias em que decidi seguir a margem da Ribeira das Vinhas passando por um velho caminho que não percorria há muito tempo. Este recanto está a poucos metros do centro da Vila o que lhe confere um particular encanto.
O Castelo   * 2






Do mesmo local fui olhar o Castelo das Rosas e pareceu-me ver nele aqueles castelos dos filmes do Conde Drácula.


Estamos na Roménia ?  * 3

Castelo de Bran - Roménia.*

*  Foto da internet.
Fotos nº 1 ,2 ,e 3 ; Autor:  Zé Pinto lopes

         Na foto temos um aspecto da Quinta do Castelo das Rosas visto do mesmo local da Ribeira das Vinhas.                                                       

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Rosas em Janeiro ?

                                                                                                 O milagre das rosas


        Tendes visto essas imagens da Rainha Santa  com o regaço cheio de flores ? Recordam o milagre que ela fez.
Saía D.Isabel do mosteiro de Santa Clara, em Coimbra, com o manto cheio de pão e moedas de oiro para dar aos pobrezinhos, quando apareceu el-rei D. Dinis e lhe perguntou:
  - Que levais escondido no vosso manto, Senhora ?
  - São rosas, meu Senhor.
  - Rosas em Janeiro ! - observou o rei, incrédulo.
  Santa Isabel abriu então o regaço, desdobrou o manto e mostrou ao rei as mais lindas flores que seus olhos viram. O pão e o dinheiro das esmolas tinham-se transformado em rosas brancas e vermelhas, que juncaram e perfumaram o chão.  *

                                                                                 



 * Web Site da imagem - " Folclore Português "

* " O LIVRO DA PRIMEIRA CLASSE " 
  8ª edição 1958
 nº - 19176 

 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Tunguska. Junho de 1908.

A região de Tunguska é um desolado planalto arborizado próximo do rio do mesmo nome, na Sibéria Central, cerca de 800 km a noroeste do lago Baikal. Pantanosa no Verão, é completamente gelada no Inverno.

Perspectiva artística do que se terá passado

Expedição ao local
No canto superior esqº o local do sucedido na actualidade.
No dia 30 de Junho de 1908, às 7.17h. locais, sucedeu um aterrador fenómeno na região de Tunguska, na Sibéria Central. Como  que por efeito de uma catastrófica deflagração ocorrida na atmosfera, foram derrubadas todas as árvores existentes num raio de 30 km.
 Os habitantes da região à data do acontecimento relataram que imediatamente antes da explosão avistaram uma bola de fogo atravessando o firmamento cujo brilho " ofuscava a luz do Sol". Em Kirenssk, a 400km de distância, foi avistada uma " coluna de fogo " seguida de três ou quatro estrondos e do som de um choque.
  A força da explosão foi tão intensa que numa região a sul de Kansk, a mais de 600km de distância, os cavalos foram lançados ao solo. As queimaduras dos habitantes desta região pouco povoada foram igualmente dignas de nota. Um membro da tribo dos Tunguses disse aos cientistas que acorreram ao local passado pouco tempo que uma manada de 1500 renas fora aniquilada. " O fogo veio e destruiu a floresta e todos os animais".
 Até ao dia de hoje e apesar de todas as mais diversas explicações ainda ninguém conseguiu decifrar o que ali ocorreu afinal.
 Supondo que ocorreria algo parecido nestes tempos actuais como reagiriam as nações detentoras de armamento nuclear?   

Fotografias da Blogosfera.


terça-feira, 3 de janeiro de 2012

2012

 Sinceramente estou algo hesitante acerca da forma de como iniciar mais esta sequência de memórias a referir por aqui.Talvez, a jeito de curiosidade, ser este ano bissexto o que como se sabe origina um Fevereiro de 29 dias.Que serão estes meses para mim? Tenho receio de escrever algo que me venha a arrepender se esse algo se relacionar com bem estar.Tenho vindo a reflectir seriamente acerca das referências públicas ao meus estado de alma ou da conduta  na sociedade assim como dos resultados visíveis dessa mesma forma de agir e não estou nada animado a prosseguir.
Tal como o futuro esta placa nada adianta ou atrasa. Que significado terá?          *
                                                            
Estou perto, muito perto de acreditar na existência de " algo " que condiciona o meu percurso neste mundo, porém, as forças adversas ao tal estado desejável de bem estar são fortíssimas e aparentemente perenes. Assim em silêncio sobre esse aspecto irei seguindo o meu caminho sigiloso quanto baste afim de observar o que daí resultará. Para o mal já vi o que deu até aqui talvez por não tomar as devidas cautelas em relação ao que me parece, sem sobranceirismos de qualquer espécie, ser o tal " algo " que me quer parecer rodeia a cada um de nós. Vou analisar o meu comportamento atentamente este ano, nesse campo, afim de tentar perceber se o que parece é.
* Foto: Zé Pinto Lopes