segunda-feira, 24 de agosto de 2015

As Aldeias

                                         Eu gosto das aldeias sossegadas,
                                         Com seu aspecto calmo e pastoril,
                                         Erguidas nas colinas azuladas...
                                         Mais frescas que as manhãs finas d'Abril.

                                         Levanta a alma às coisas visionárias,
                                         A doce paz das suas eminências...
                                        E apraz-nos, pelas ruas solitárias,
                                        Ver crescer as inúteis florescências.

                                        Pelas tardes das eiras - como eu gosto
                                        Sentir a sua vida activa e sã !
                                        Vê-las na luz dolente do sol posto,
                                        E nas suaves tintas da manhã !...

                                        As crianças do campo, ao amoroso
                                        Calor do dia, folgam seminuas,
                                        E exalar-se um sabor misterioso
                                        Da agreste solidão das suas ruas.

                                        Alegram as paisagens as crianças,
                                        Mas cheias de murmúrios do que um ninho,
                                        E elevam-nos às coisas simples, mansas,
                                        Ao fundo, as brancas velas de um moinho.

                                        Pelas noites d'Estio, ouvem-se os ralos
                                        Zunirem suas notas sibilantes...
                                        E mistura-se o uivar dos cães distantes
                                        Com o canto metálico dos galos.*

* Gomes Leal ( sécs. XIX - XX )
   Claridades do Sul     
            Também assim era o meu torrão natal quando eu era pequenino...











sábado, 15 de agosto de 2015

Da minha ausência por aqui.

Continuo ausente como usualmente alguém diria " em parte incerta ". Não é bem o caso, mas tem semelhanças.

As minhas idas e vindas à Cidade.

As minhas maiores desculpas porém, ainda estou sem tempo de lazer para permanecer por alguns momentos neste meu blogue.

Um dia a mais que aí vem !
 Bom Verão e...até breve.