sábado, 30 de março de 2013

Horário de Verão

     A propósito do horário de Verão e por isso mesmo evoco aqui os  anos sessenta. Era assim aqui em Cascais.

Como curiosidade ainda não existia o Hotel Estoril - Sol. Quantas e boas recordações esta fotografia me traz à memória. Esta era a " nossa " praia, a que nós mais gostava-mos, naqueles bons tempos.

Como não evocar o Palm- Beach?  Boite famosa na altura ( hoje dir-se-ia discoteca.Discoteca era então o local onde se ia comprar discos) ...adiante.  Esta, como muitas outras boites de Cascais era um  local de grande animação.

Note-se o pormenor de se fazer gala ao " único local da linha de Cascais completamente abrigado do vento . Frequência distinta. Serviço magnífico. "
Conheci e privei com alguns amigos e amigas em noites animadas nesta casa dirigida então por um grande Amigo o Sr: José Fernandes. Ele que muito gostava de atirar aos pratos no desaparecido  ( tal como o Palm- Beach ) Stand do Estoril. Ainda falarei deste assunto um outro dia !

À memória sucedem-se vertiginosamente mais e mais imagens que me ocorre compartilhar. Na foto seguinte vemos o desaparecido Cinema Alvalade em lisboa. Como os meus padrinhos moravam no Bairro de Alvalade eu todos os anos ia passar lá uma semana. Era uma mudança que me conduzia à Capital e  recordo-me de várias coisas vividas nessas semanas.Entre elas guardo a saudade  deste cinema.

Cinema Alvalade. Bairro de Alvalade, Lisboa, anos sessenta. Hoje edifício de escritórios, se não estou em erro.

Pela rua à esquerda lembro-me de todas as manhãs ir ao mercado às compras. Era algo singular ver o movimento e a azáfama no local, para quem, como eu vinha " da montanha ".

E por fim uma foto de um dos locais de Cascais ou para ser mais exacto do Monte Estoril onde começavam a ocorrer alguns acidentes graves. Ainda hoje é um local perigoso mas naqueles tempos quando se falava em perigosidade rodoviária, na estrada marginal, era este local uma referência.


Milhares de vezes ali passei e passo sempre com muita cautela. A foto acima indicia o que acabo de referir pois o veículo parece-me ser dos anos 50.
A fotografia foi obtida do " Centro de documentação do A.C.P. "

Muito mais haverá para lembrar bom e mau,  porém, e de momento, deixo estas " velhas " memórias de um tempo já passado e sem retorno.
 E naquele tempo também não se falava em mudanças ou danças das horas.

 Assim convém  logo não esquecer de adiantar os relógios 60 minutos. Dia 31 de Março sendo 1 da manhã adianta-se uma hora. O horário de Verão.


quarta-feira, 27 de março de 2013

Chuva na Páscoa

 Segundo informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera
I.C.19. Março.

Assunto: PREVISÂO ESPECIAL PÁSCOA - CONTINENTE

Devido à passagem de sucessivas superfícies frontais, prevê-se a ocorrência de precipitação, que será forte nos dias 29, em especial nas regiões Norte e Centro até ao fim da manhã, e a partir da tarde de domingo, prolongando-se até ao meio da manhã de segunda-feira. A neve deverá cair na Serra da Estrela, essencialmente nos seus pontos mais altos. Esta precipitação mais intensa será acompanhada de vento forte com rajadas, em especial no litoral oeste e nas terras altas. A temperatura do ar não registará variações significativas.

terça-feira, 26 de março de 2013

Martelo de Kingoodie

Fóssil de martelo com 400 Milhões de anos!


Enigmático no mínimo tudo o que se poderá pensar acerca deste objecto. Quem o utilizaria há mais de 240 milhões de anos ? Afinal a fazer fé no que por aí se escreve acerca de tão absorvente assunto o martelo em causa nem é contemporâneo dos dinossauros pois, estes, nem sequer existiam.
O instrumento descoberto em MyInfield na Escócia pelo físico David Brewster em 1844 ficou conhecido por " Martelo de Kingoodie ".
A ciência moderna não se refere ao assunto com clareza, o que leva a todo o tipo de conjecturas e especulações.

Kingoodie Quary em Kingoodie era um local já conhecido em 1844 entre a comunidade paleontológica por ali se encontrarem vestígios fossilizados. Foi numa dessas buscas a tais " livros do passado " que Sir David Brewster encontrou uma rocha de arenito com algo estranho incrustado.
O estranho achado, na sua aparência um martelo pré- histórico, logo lhe despertou o desejo de compartilhar com a comunidade cientifica tal raridade. Teria ( e tem ) cerca de 12,5 cm .
Levou a rocha com o seu conteúdo para a British Association.
Análises daqui e dacolá e lá se chegou a um consenso quanto à origem pré-histórica da pedra e do conteúdo ( ??? ).
 Esquecida ( !!??? ) da ciência ficou a mesma até  que, em 1985, o Dr: A.W. Medd do centro Britânico de Pesquisas Geológicas voltou a interessar-se pelo estranho caso.
Novas e rigorosas análises vieram a revelar um resultado mais que inesperado.
O bloco de arenito no qual o martelo está incrustado foi datado de um período entre 360 a 408 milhões de anos atrás!
Incrível se considerar-mos que data de antes dos dinossauros que surgiram no Triássico.
Quem fez o martelo ?
Segundo é oficialmente reconhecido apenas insectos, plantas e animais aquáticos povoavam o Planeta nesses tempos ancestrais.
Estou em crer que o silêncio em redor deste caso é muito conveniente.
Seria e será muito difícil explicar história e religião caso se prove a presença de seres inteligentes em períodos tão recuados do Mundo.
Mais a mais não estou a ver tão iminente cientista por em causa a sua reputação caso não acreditasse no que permitiu divulgar!


David Brewster

Biografia

Estudou teologia na Universidade de Edimburgo, mas lá se voltou para a ciência. As suas principais experiências eram sobre a teoria da luz, algumas propriedades da luz e as suas aplicações. Adaptou e melhorou instrumentos técnicos existentes para usar em suas pesquisas, desenvolvendo novas ferramentas.
Os seus estudos conduziram à descoberta do princípio do caleidoscópio em 1816. Embora elaborado como uma ferramenta científica, a descoberta foi vendida rapidamente como um brinquedo.
Criou também o estereoscópio, instrumento para produzir uma imagem tridimensional através de uma imagem bidimensional, consequência da sua dedicação ao estudo avançado da fotografia.
Brewster realizou trabalhos importantes em piroeletricidade, sendo que o termo "piroeletricidade" pode ser atribuído a ele, tendo também estabelecido uma grande lista de cristais termoelétricos.



segunda-feira, 25 de março de 2013

Só quando...

Só quando a última árvore for derrubada, 
O último rio estiver poluido,
Ribeira das Vinhas. Finais de Março.

O último peixe morto, 
È que vamos perceber,
Que não podemos comer dinheiro. *

* Chefe Seattle

domingo, 24 de março de 2013

Natureza

" As aves migratórias primam pela ausência estes últimos anos  " escrevia eu há uns tempos. Pois neste momento estamos no início da Primavera e aqui na região era comum observar as andorinhas nos seus voos típicos. Também elas desapareceram quase que na totalidade. As últimas que observei foi há cerca de duas semanas. Outra realidade igualmente triste tem a ver com a flora dos nossos campos. Os lirios amarelos ( iris lusitanica ) que povoavam a paisagem surgindo por esta altura entre a vegetação bravia desses campos, são pura e simplesmente retirados ao seu meio natural em quantidades tais que não fora a sua origem provir de bolbos há muito que se teriam extinto.  E para quê?
Iris Lusitanica

 Para os venderem junto à estrada do Guincho a automobilistas e afins. Isto apesar de ser uma planta dita protegida. Qualquer pessoa que dê uma volta pelos arredores agora, em Abril ou Maio, verá os famigerados recolectores ( e não são crianças ) na sua tarefa predadora. Infelizmente muito mais irá desaparecer.
 Eu pela minha parte sempre que se me deparava  uma situação destas quando nas minhas voltas em b.t.t.  as lobrigava tentava sensibilizar as pessoas. Parco sucesso tive. Outro problema igualmente grave prende-se com as inúmeras armadilhas de arame com que um ou outro energúmeno captura aves junto à ribeira das Vinhas por alturas de Setembro / Outubro. Estão ali há vista de todos, junto aos caminhos. Nem uma só acção de fiscalização ali vi fazer uma só vez que fosse. Nisto e em tudo o mais bem que as agências do Ambiente que aqui por Cascais se esforçam em acções decerto meritórias, noutras vertentes, se poderiam também debruçar. Se precisarem de mim estou ao dispor.


Imagem :Zé Pinto Lopes

sexta-feira, 22 de março de 2013

O Sol em comparação com outras estrelas.

Quando olho para a imagem  que aqui reproduzo, o pensamento conduz-me a tantas e tantas interrogações  às quais nem no conceito mais " simples " das religiões, segundo as quais tudo o que nos rodeia se resume a criações de um qualquer deus, encontro  resposta.
 Sou humano, um simples cidadão do mundo, habitante do planeta  por isso mesmo e, portanto, devo-me remeter ao meu cantinho assim como biliões de outros  como eu . Agora que o meu cantinho e o seu, que me lê ,  é de facto microscópico disso nunca tive dúvidas.
Afinal como a própria Terra  sou " Pó e em pó me hei-de tornar!
Tal como tudo no Universo!
Ou não ???




                                     O nosso Sol em comparação com algumas outras estrelas.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Sociedade Medieval Portuguesa

 " Um vasto matagal entresachado ", assim definiu o historiador Costa Lobo o Portugal do século XV. Outro tanto se poderia afirmar para as épocas anteriores. Florestas e brenhas cobriam grande parte do País, convertendo-se em óptimo refúgio de feras e de animais bravios. Aqui e além vislumbrava-se um montículo de casas, centro periférico de alguns campos arroteados que lhe sustentavam a população.
É verdade que o Minho, a Estremadura ou certas zonas litorais nortenhas escapavam um pouco a esse panorama desolador. Aí existia dispersão de povoamento, aldeias ainda mais pequenas mas casais espalhados pelos vales, pelas faldas das montanhas e pelas raras planícies.
   A população era escassa; um milhão de habitantes ou pouco mais, distribuindo-se irregularmente de norte a sul, atingindo máximos e mínimos de densidade onde ainda hoje os atinge, não excedendo na média os onze habitantes por quilómetro quadrado. Houve, é certo, subidas e descidas ao longo dos três séculos do Portugal medieval. O milhão de base pode ter sido suplantado entre os meados do século XIII e os meados do século XIV, quando a paz e a prosperidade do reino se sucederam aos tempos árduos da Reconquista; mas baixou também desde a Peste Negra de 1348, ou mesmo antes, para só recompor uma centúria mais tarde. (... ) Neste Portugal vivia um milhão de pessoas hierarquizadas em classes, subclasses, grupos e subgrupos. Havia a nobreza, o clero e o povo. (...)

Toda esta gente vivia de maneira diversa da nossa. Alimentava-se, vestia-se, divertia-se segundo outros padrões. Habitava em casas diferentes. Tinha outro nível de vida e outra forma de passar o tempo.Nem sequer o concebia, de resto  como nós hoje. O tempo era mais impreciso, menos necessário numa contagem rigorosa, menos nítido nos seus contornos e na sua utilidade. O tempo era o sol e era a treva. Não havia relógios mecânicos. As divisões básicas do dia e da noite correspondiam apenas a cerca de um terço das que hoje existem.
(...) Os anos de 1422 a 1460 foram vividos e contados duas vezes; a primeira quando ainda vigorava a era de César; a segunda, quando passou a vigorar a era de Cristo.
Gostariamos de saber como esta gente se comportava perante uma alegria ou uma tristeza; qual a expressão normal dos sentimentos; quais as possíveis diferenças sociais e económicas que os condicionavam.
    Vida e morte, tratamento de uma e prevenção da outra, atitude frente ao sobrenatural, interesse pelo próximo, individualismo e colectivismo, código moral, tudo são aspectos do quotidiano em regra omitidos pelos historiadores das estruturas e dos acontecimentos. ( ...) 1


1- Do livro " A Sociedade Medieval Portuguesa 
 Autor. A.H.de Oliveira Marques
Livraria. Sá Da Costa. Editora. 2ª Edição. 1971
Imagem de; medievalist

terça-feira, 12 de março de 2013

Aquilo, naquilo e daquilo !

                        Tal como a revista GENTE entendo não tecer comentários



segunda-feira, 11 de março de 2013

Saloios de Cascais

Escrito pelo meu Amigo Pedro Falcão ilustre cascalense infelizmente já desaparecido encontramos este saboroso trecho na obra " Cascais Menino "  que aqui transcrevo como uma homenagem aos meus conterrâneos. Recordemos, pois, este belíssimo naco de prosa.



" Lá vem a chegar a Cascais, dos lados da Malveira, a procissão das saloias nos seus jericos. Vêm contando as suas vidas e as doenças, enquanto sentadas nas albardas, vão batendo a compasso com os calcanhares nas barrigas dos jumentos:


 « Ó ti Jaquina intão como vai o sê marido ? »
  « Vai indo mehlor, ti Joana, vai indo mehlor, graças a Deus. Tá agora cá um dótôr nôvo qué um grande médeco, sim senhor. Vocemecê já óviu falar ? É um grande médeco, sim senhor. Vêja vocemecê ó ti Joana. Vomecê sabe bem co mê home tava mal, caquilo nan atava nim desatava, chamê muntos dótôres. Uns arrecetavam pínlulas e oitros poses, mas o mê Antoino tava sempre na mesma, tava, sim senhor.
Inté que tive a sortre de chamar o tel médeco, que pôs o mê home in pé dum dia pró oitro, sim senhor, aquilo é que é um dótor ! »
                                           Burricos de hoje em Cascais                         * Foto de Zé Pinto Lopes

 « E qué que arrecetou o tal dótôr, ó ti Jaquina ? ».
« Ele arrecetou umas pínlulas ti Joana, mas nim foi preciso cumpralas. O dótôr, assim que chegou, pôs um vidrinho, camodos que chamam temódeto, ou lá o qué, nos sovacos do mê home, e ospois foi-se imbora. Olhe lá só le digo, ó ti Joana, co mê home, que nam se curva cum nada, no dia seguinte tava fino.
Inda lá dechê o vidro mais um dia por causa das dûvedas e pronto.
Quando cunté ó dótôr, ele riu-se munto, disse ca cura nan era do vidro. Só o que custou munto ó mê home tomar foi as folhas cu tal médeco mandou, que disse quéra chá ou lá o qué.
Ele, coitado, custavale munto a mastigalas, camargavam munto, mas ê cá cando o dótôr manda obedeço, ca gente paga a vesita é pra fazê o cu home diz, num le parece, ó ti Joana ?
Porisso obriguê o mê home a mastigar as folhas todas e como a modos que lamargavam munto botêle azête e vinagre e ódepos lá as ingoliu com menos relutância.
E tou cumbencida cas folhas do tal chá tambêm le fezeram munto bên.
Mas o melhor remedo, o que pôs o mê home im pé, isso ninguên me tira da idêa que foi o tal abinçoado vidrinho. Grande dótôr, sim senhores ! »

E a procissão de burricos lá entra em Cascais, vem trazer aos fregueses a roupa lavada e corada ao sol da serra, branquinha e a cheirar bem, que dá gosto ".

sexta-feira, 8 de março de 2013

Mulher

                                                   
Tempos houve em que ...

 " Ser um Homem era, portanto, ser capaz de trabalhar como tal e de ganhar em correspondência !
 ( ... ) Das mulheres esperava-se que destes se aproximassem em capacidade e resistência. E se as condições físicas fossem insuficientes que a vontade inquebrável, então, as substituísse. Para o patrão, concerteza, isso seria o ideal principalmente ganhando, como ganhavam, o preço das mulheres !
   Isto é claro, para lá de tratar das lides domésticas, da horta ao domingo se a havia, dos filhos todos os dias, eventualmente de alguns animais de capoeira.
   O próprio parto era assumido por estes lados como algo natural; algo que não justificava uma alteração substancial da vivência quotidiana. Os testemunhos em que se trabalhou quase até à hora,interligam-se com outros em que o nascimento ocorreu no campo, durante o trabalho, fazendo aí as companheiras da parteiras improvisadas !

(... )  É que se é importante para os homens serem apodados de bons trabalhadores, para as mulheres, contudo, uma outra exigência se apõe a esta; a de ser honrada sendo o adultério particularmente criticado nela ( e ridicularizado o marido por tal ) e apenas levemente censurado nos homens cuja propensão extra-conjugal é considerada natural !
A censura pública sob a forma de ridicularizações e apodos pejorativos é comum nestas sociedades. o homossexualismo masculino é troçado, ridicularizado e desprezado. mas apenas no que se refere ao sujeito passivo; no fundo aquele que assume o papel feminino.
 (...) Em suma, trabalhar diariamente, desde tenra idade, em tarefas esgotantes e por um salário que mal dava para a subsistência era o fado destas gentes. Sair de casa, de noite, caminhar a pé para poder estar ao  descobrir do sol no local de trabalho, pronto a pegar ! Voltar ao lusco fusco, para chegar a casa noite cerrada, com refeições para fazer e filhos por tratar ! Era assim uma vida de cão que as cheias vinham ainda ciclicamente agravar !
  E se a vida do homem era dura, que dizer da mulher ?
 É que além do trabalho, tal como o homem, durante todo o santo dia, ainda tinha de tratar dos filhos, da roupa, da alimentação e da casa. Essencialmente à noite; o único tempo, durante a semana, que lhe restava ! " 
 ( 1.
( 1. Extractos do livro de autoria de Aurélio Lopes  " FERTILIDADE E LABOR  na Leziria Ribatejana "

                                                                              


quinta-feira, 7 de março de 2013

Manhã portuguesa.

Avião em aproximação ao Aeroporto da Portela
Tranquilamente pela Av: Norton de Matos segue o trânsito o seu percurso normal. Da mesma forma podemos ver  um dos aviões da   nossa  transportadora numa aproximação à pista.
 Consegui a  foto esta manhã em Lisboa, mais uma manhã portuguesa em que tudo o que aqui vislumbramos é Portugal. Quero pensar que sim, excepto o símbolo da companhia Repsol, ao fundo, em ambos os lados da avenida. Estarei errado ?

quarta-feira, 6 de março de 2013

Escola Primária. Cascais anos 60

Hoje por um feliz acaso encontrou-me em Cascais um destes meus colegas que logo me reconheceu e não fora ele eu não o teria cumprimentado. Seria lamentável. Recordámos alguns companheiros de então, porém, o tempo ( como sempre ) era pouco e cada um seguiu o seu caminho. Aqui deixo uma imagem desses tempos para recordar.
Abraços a todos.E deixo a pergunta de sempre! Onde andarão alguns destes Amigos.

 A Escola Primária. A tal que se dizia ser nos distantes anos sessenta o pilar do ensino. Já aqui descrevi noutro local a minha experiência nessa fase da vida. Não o farei de novo. O que me interrogo tantas e tantas vezes é acerca do que será feito destes meus companheiros de então.

1ª Classe - 1960 / 61.

    Que rumo a vida lhes teria dado? Que destino ? Apenas desejo que estejam todos por cá tal como eu. A fotografia foi obtida na chamada, então, Escola da Câmara,  hoje  " José Jorge Letria ". Na altura como fácilmente se observa ainda vigorava o conceito de, rapazes para um lado, raparigas para o outro, o que quer dizer que neste mesmo edifício coabitavam também as meninas.Curioso o facto de todos usarmos batas brancas. Lembro-me bem de tudo, até do espaço do recreio onde brincávamos, igualmente, cada um para seu lado. Assim era na cantina onde tomávamos ( alguns ) as refeições. Haviam alguns pratos que detestava. Recordo-me como exemplo da sopa de cebola. Gostava muito quando a Dª Albertina ( parece que estou a Vê-la ) nos trazia um " naco " de toucinho para comermos com o pão. Depois o recreio, o jogo do berlinde, o saltar ao eixo e por vezes as pancadarias por isto ou por aquilo mas que tudo ficava ali resolvido. A Srª  de vestido escuro, a saudosa Dª Ermelinda, na foto com as mãos nos meus braços e por quem eu tinha uma estima enorme.Havia também, salvo erro aos sábados, uma sessão de " ordem unida " como se diz na giria militar em que o insígne cascalense Sr: Mário Clarel nos ensinava uma marcha e algumas canções. De tudo me recordo. E ja lá vai mais de meio século.  
Foi ontem...
                                                           
                                                           

segunda-feira, 4 de março de 2013

Papa. " As Três Profecias "

 Bem... Já assisti a tantas profecias falhadas e sempre renovadas para  o " Fim do Mundo "  como, por exemplo a de Bandarra que proclamava mais ou menos isto; " A mil chegarás e de dois mil não passarás " aquela outra, bem recente, acerca do dia 23 de Dezembro e o Calendário Maia.
 A ser assim mais uma não fará diferença.Mas quanto à questão do calendário a confusão está instalada pois veja-se o calendário e as voltas que lhe deram...Cito com a devida vénia do blogue http://cascaisarte.blogspot.com   o seguinte trecho; "   " Não era porém, ainda exacto este computo, porque tomando 5 horas  e 49 minutos por 6 horas completas, devia o aumento de 11 minutos num grande espaço de anos dar uma grande diferença, antecipando os equinócios e solstícios que dão começo às estações: e tanto se deu esta diferença, que em 1582 já havia 10 dias a mais no calendário, o que obrigou o papa Gregorio XIII a fazer a reforma que hoje se segue, chamada Correcção Gregoriana. Por esta reforma, e para a devida compensação, se suprimem 3 bissextos em 3 anos seculares consecutivos, porque no espaço de 400 anos aqueles 11 minutos de acréscimo produzem 3 dias. " 

Então li hoje o seguinte


Profecias Nostradamus e Apocalipse dizem que próximo Papa será o último
A resignação de Bento XVI, agora Papa emérito, deixou todos perplexos e talvez por isso tenham surgido várias teorias sobre as razões da sua decisão, sobre o futuro da Igreja e mesmo sobre o futuro do Mundo. E existem pelo menos três profecias que revelam que o próximo a ocupar o trono de são Pedro será o último a fazê-lo, de acordo com o jornal i.
Nostradamus e Apocalipse dizem que próximo Papa será o último
Em vésperas do Conclave que elegerá o 112.º Papa da Igreja, três profecias que ditam que este será o último a sentar-se na cadeira de São Pedro ganham popularidade. São Malaquias, Nostradamus e o Livro do Apocalipse parecem deixar o aviso que o próximo sumo pontífice será o derradeiro.
A queda do meteorito na Rússia há duas semanas e o raio que rasgou o céu por cima da Basílica de São Pedro, no Vaticano, parecem dar força e mais credibilidade às teorias de que o próximo Papa será o último, pois há quem relacione esses dois acontecimentos e a resignação de Bento XVI com as três profecias.


Michel de Nostredame
Conhecido(a) por Profecias
Nascimento 14 de dezembro ou 21 de dezembro de 1503
Saint-Rémy-de-Provence, França
Morte 2 de julho de 1566 (62 anos)
Salon-de-Provence, França
Nacionalidade França Francês
Ocupação Apotecário, autor, tradutor, consultor astrológico
   
São Malaquias
São Malaquias O' Morgan
Arcebispo de Dublin e Abade de Armagh
Nascimento 1094 em Armagh
Morte 2 de Novembro de 1148 em Clairvaux
Veneração por Igreja Católica
Canonização 6 de Julho de 1199 por Clemente III
Festa litúrgica 3 de Novembro
Atribuições Mística e profecias, sendo a mais famosa, a "Profecia dos Papas"
Conhecido(a) por Profecias
Nascimento 14 de dezembro ou 21 de dezembro de 1503
Saint-Rémy-de-Provence, França
Morte 2 de julho de 1566 (62 anos)
Salon-de-Provence, França
Nacionalidade França Francês
Ocupação Apotecário, autor, tradutor, consultor astrológico

Carapau.

Campanha MPDO - 2013 dedicada à estimação da biomassa desovante de carapau (Trachurus trachurus)
campanha MPDO carapau2013-03-04 (IPMA)
Campanha MPDO - 2013 dedicada à estimação da biomassa desovante de carapau (Trachurus trachurus)
A campanha do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, dedicada ao Método de Produção Diária de Ovos (MPDO) para carapau, cujo objectivo foi a estimação da biomassa desovante da espécie na área do stock sul (Gibraltar-Finisterra), decorreu entre 9 e 22 de Fevereiro na costa portuguesa e águas espanholas da Galiza ocidental. Os trabalhos, previstos no âmbito do Programa Nacional de Amostragem Biológica (PNAB), foram realizados a partir de dois tipos de plataforma, (i) o NRP D. Carlos I com o qual foram recolhidas as amostras de plâncton e registados parâmetros ambientais (perfis de CTD e ADCP, informação meteorológica) que serão utilizados para estimar a área de desova e produção de ovos, e; (ii) embarcações comerciais de pesca de arrasto que colaboraram na obtenção de amostras de peixes adultos para estimação do peso médio das fêmeas, proporção entre sexos, fecundidade parcial e fracção de desova diária.

Durante o período da campanha a bordo do NRP D. Carlos I foram percorridas cerca de 1300 milhas distribuídas por 40 transectos perpendiculares à costa nos quais foram recolhidas 222 amostras de ictioplâncton e efectuado um intenso rastreio oceanográfico. As amostras de peixe recolhidas através de pesca comercial permitiram a análise de cerca de 1000 exemplares. Todo o material amostrado será processado em laboratório e os resultados serão apresentados em Abril de 2014 no Grupo de Trabalho ICES para as campanhas de produção de ovos dirigidas a carapau e sarda (ICES – WGMEGS, Working Group on Mackerel and Horse-Mackerel Egg Surveys). 
A boa colaboração de todos, tripulação do NRP D.Carlos I e equipa técnica a bordo, e a valiosa contribuição do sector da pesca de arrasto, Docapesca e técnicos que acompanharam as amostragens nas embarcações comerciais e lotas permitiram uma campanha bem sucedida. O IPMA e coordenação da campanha expressam o reconhecimento ao comando e guarnição do NRP D. Carlos I e aos mestres e armadores da frota comercial: Centaurus, Delphinus e Sagittarius (Testa e Cunhas Lda); Lucimar (Empresa de Pesca Ribeiro Mar Lda); António Cação (Empresa Figueirense de Pesca Lda); Foz da Nazaré (Sociedade de Pesca Foz da Nazaré).

Fonte desta imagem: sciencedirect.com

domingo, 3 de março de 2013

D. Amélia e D. Carlos em Cascais.



Um destes dias fui à Junta de Freguesia de Cascais  ver uma exposição fotográfica alusiva a facetas aqui da terra. Entre outras fotos chamou-me a atenção esta que reproduzo  obtida fotografando sobre  a original pelo que foi-me impossível fazer melhor. Mesmo assim vemos S.A.R. o Rei D. Carlos, de costas, à esquerda, e conversando com uma jovem  S.A.R. a Rainha D. Amélia.
   Um cão e diversas pessoas completam o cenário. Tentei localizar o ponto onde o fotógrafo obteve a imagem à luz dos tempos de hoje. Pela elevação do terreno, pela serra ao longe e respectiva orientação geográfica sul / norte , bem como a aparente distância  àquela, embora não o possa afirmar, parece-me a região onde obtive a minha foto que ilustra o " rosto " deste blogue.
   Será assim ? Parece tal e qual !  Na Junta de Freguesia o texto alusivo à foto referia apenas que a Família Real assistia, talvez, a uma corrida de cavalos. Nada mais.Ocorreu-me à memória a ideia que aflorou em algumas mentes no  " tempo do então presidente da Câmara Municipal de Cascais , José Luis Judas " de ali, naquele local, se construir um hipódromo. Ideia que morreu à nascença e ainda bem porque, pelo menos hoje, temos ali uma belíssima zona verde para  usofruto de  todos.
   Seria então uma corrida de cavalos que levou ali a Família Real ? Pelas indumentárias talvez. Ainda pensei em algo relacionado com a caça de que D. Carlos era ferveroso adepto como eu já escrevi aqui em tempos. Porém as vestes dos protagonistas  indiciam outro tipo de evento. Seja como for gostei muito de ver.
   Fica o mistério do local e também do autor da foto. Pelo menos para mim.










sábado, 2 de março de 2013

Concorde. O mítico avião.

Fazem hoje ( 2 de Março ) precisamente 44 anos que, em Toulouse, o Concorde   efectua o seu primeiro voo de ensaio, mas só entra ao serviço da Air France e da British Airways em 1976.



Um acidente, em 25. 7. 2000 ( 113 mortes ), custos de manutenção e perda de passageiros fazem com que as duas companhias que o utilizam decidam cessar a actividade do mítico aparelho a partir de 31. 10. 2003
Concorde
O Concorde foi um dos dois aviões supersônicos de passageiros que operaram na história da aviação comercial, sendo o outro o soviético Tupolev Tu-144. Possuía uma velocidade de cruzeiro de Mach 2.04, e um teto operacional de 17.700 metros de altura. Wikipedia
Introdução: 21 de janeiro de 1976
Retirada: 26 de novembro de 2003
Velocidade máxima: 2.172 km/h
Voo inaugural: 2 de março de 1969