terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Cascais, Visconde da Luz , Bela Vista, Oitavos e etc.


Por deliberação da Câmara Municipal de Cascais, em 18 / 09 de 1919, foi atribuído o nome a este arruamento que começa no Largo Luís de Camões e termina na Rua Padre José Maria Loureiro.

Nossa Senhora  da Luz
Joaquim António Velez Barreiros - Visconde de Nossa Senhora da Luz. Foi director das Obras Públicas no reinado de D. Pedro V. Apesar de não ser natural de Cascais foi um dinâmico renovador de toda a vila, tanto nas várias e modernas construções da época como nos principais arruamentos. Aqui edificou a sua casa no Alto da Bela Vista, a onde vinha regularmente. * (1 )



 As fotos que vemos obtive-as  junto àquela que foi sua casa... ?  No então sítio da Bela Vista como ainda hoje é designado, porém, ali nada permite uma bela vista a não ser para o casario envolvente que, aparte uma ou outra excepção, para confirmar a regra, leva-nos a perguntar o porquê de terem os nossos antepassados lhe dado  essa " classificação ".
 Tenho ouvido a alguns conterrâneos e nada me leva a crer em contrário que dada a posição elevada do terreno, e  não existindo ali então quaisquer edifícios nesses tempos de antanho, a vista para a baía, para a vila e para os arredores devia ser muito bela, de facto.
  É, e será segundo dizem alguns, o grande problema dos povos simples e humildes. Sempre que alguém, ou alguma entidade com poder monetário ou outro, toma conhecimento de um património natural de elevada beleza, usufruída pela comunidade, de imediato tende a transformá-lo em algo seu, ou de acesso restrito, quando pura e simplesmente não o destrói por pura ignorância. Exemplos recentes que nos magoaram a todos nós cascalenses são fáceis de enumerar, porém o mal não é de agora veja-se o exemplo do restaurante erguido sobre as ruínas da estação semafórica de Oitavos, à direita da estrada para o Guincho. Nunca nada ali se deveria edificar pois assentou  sobre uma duna fóssil de elevado valor natural.

 Elucidativo o exemplo seguinte que recolhi na net, numa página do Colégio Vasco da Gama

Dunas Fósseis
Duna de Oitavos
Ex: Duna de Oitavos e Magoito

Uma duna que costumavas visitar, agora já não é possível por se tratar de uma propriedade privada, era a duna de Oitavos, entre o Guincho e a Boca do Inferno. Inicialmente, ela seria constituída por grãos de areia "soltos" que se moviam pela acção do vento. Estes grãos foram-se progressivamente fixando e ligando entre si devido à deposição/precipitação de partículas carbonatadas e argilosas que eram transportadas nas águas que circulavam entre eles. Terá sido deste modo que essa duna consolidou e se preservou até aos dias de hoje.


 Mas quem pensava nisso há quase duzentos anos ? Desculpa-se ! ?... Porém com mais dificuldade se aceita as barbaridades contemporâneas.  Daria vontade de rir se não fosse triste o exemplo que retirei do livro " Os nossos Arruamentos "  acerca do legado do Visconde da Luz e a forma como foi " interpretado ". Continue-mos, pois, a leitura.

 " Foi um grande amigo desta terra, doando todo o terreno e ajardinando o actual Jardim Visconde da Luz e os terrenos onde se encontra parte do edifício que foi o Cinema S. José, tudo oferecido ao povo de Cascais, através do seu Município  com o fim, de os mesmos terrenos serem sempre do domínio público. * ( 1 )

Mas... há mais, e mais, e mais, e mais ...

*( 1 )  Texto em itálico, recolhido do livro " Os Nossos Arruamentos " 
Autores: Manuel Eugénio F. Silva
               José Ricardo C. Fialho