domingo, 13 de abril de 2014

Luís de Camões




maior épico e o maior sonetista de todas as Hespanhas. A bravura d,um  Hespanhol e a arte d,um italiano. Barbiruivo, peito de athleta, coração de pomba. O « Trinca-Fortes » da Praça de Samsão. Sangue gallego dos mais nobres e espada de ferro das mais temidas. Sobre uma golla enrocada, uma orbita vasia. Criminoso e poeta, naufrago e heroe.Brazão d,armas: « em campo verde, uma serpente d,oiro entre penhas de prata ». ( 1 )

( 1 ) Illustração Portugueza
       II Volume - 3 de Setembro de 1906

                                                                     

                                     Amor é fogo que arde sem se ver;
                                                 E ferida que dói e não se sente;
                                                 É um contentamento descontente;
                                                 É dor que desatina sem doer;


                                                 E um não querer mais que bem querer;
                                                 É solitário andar por entre a gente;
                                                 É um não contentar-se de contente;
                                                 É julgar que se ganha em se perder;


                                                 É um estar-se preso por vontade;
                                                 É servir a quem vence, o vencedor;
                                                 E ter com quem nos mata lealdade;


                                                Mas como causar pode o seu favor;
                                                Nos mortais corações conformidade,
                                                Sendo a si tão contrário o mesmo Amor?

                                                                                 
                                               Luís de Camões