segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Aequo ânimo

            
                                 Ia rasgar meus pobres versos quando
                                 uma Ave na gaiola entristeceu.
                                 E ao vê-la acabrunhada olhando o céu
                                 perguntei-lhe em que estava ela pensando.

                                 - " Poder voar ! " me respondeu chorando.
                                 - " P´ra quê ? " volvi. " Sou grande amigo teu "
                                 " e receio demais que  o povoleu
                                 " te apedreje, impiedoso, gargalhando ...


                            Ela fitou-me, cheia de ternura ...
                            E eu então, que a animara tanta vez
                            Soltei-a ! ... Abriu as asas pela altura.

                            - " Melhor, disse eu, farias em ficar ... "
                            E ela tornou, de longe, assim : - " Talvez !
                            Mas cumpro o meu Destino - que é voar ... ?


Poema de autoria de: Inácio Vaz da Cruz
-editado no ano de 1940