quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Cabo Verde.

Colapso de ilha vulcânica desencadeia tsunami gigante, cabo verde, há 73000 anos
tsunami gigante, há cerca de 73000 anos2015-10-05 (IPMA)
“A investigação agora publicada na revista Science Advances (http://advances.sciencemag.org/content/1/9/e1500456), mostra que um colapso pré-histórico súbito de uma das mais altas e activas ilhas oceânicas – a ilha do Fogo em Cabo Verde – produziu um tsunami gigante com consequências catastróficas. As provas, que documentam o impacto destas ondas até pelo menos 220 m acima do nível do mar actual, foram encontradas na ilha de Santiago, 55 km a leste da ilha do Fogo. Este estudo reacende o debate que dura há algumas décadas sobre se os colapsos gravíticos de ilhas vulcânicas ocorrem subitamente e de um modo catastrófico, e se são capazes de gerar tsunamis de grandes dimensões. Este trabalho confirma essa capacidade de gerar tsunamis de proporções gigantescas.
As provas encontradas na ilha de Santiago incluem campos de blocos rochosos, alguns da dimensão de auto-caravanas, assim como sedimentos marinhos cobrindo a superfície topográfica da ilha, depositados a grande altura acima do nível do mar. Estes depósitos implicam a ocorrência de uma inundação marinha catastrófica apenas compatível com o impacto de um tsunami gigantesco proveniente de oeste, isto é da ilha do Fogo. Através da utilização de técnicas de ponta para a datação de rochas estima-se que o tsunami ocorreu à cerca de 73.000 anos, uma idade compatível com a datação pré-existente do colapso do flanco oriental da vizinha ilha do Fogo. Este estudo estabelece, assim, a ligação causal entre os depósitos encontrados em Santiago e o colapso do Fogo, indicando que o colapso terá ocorrido de um modo catastrófico e produzido um tsunami gigante. Uma vez que o nível do mar se encontrava então cerca de 50 metros mais baixo que o actual, pode inferir-se que o tsunami inundou o litoral da ilha de Santiago, nalguns locais até altitudes de 270 metros ou mais.
A ilha do Fogo eleva-se actualmente 2.829 metros acima do nível do mar e entra em erupção a cada 20 anos em média, a mais recente das quais foi a erupção que decorreu entre Novembro de 2014 e Fevereiro deste ano. O vulcão activo que se observa actualmente foi edificado dentro da cicatriz deste colapso, sendo tão alto e íngreme como o vulcão anterior ao colapso. A energia potencial para novo colapso de grandes dimensões continua, portanto, a existir. Não sabemos contudo se ou quando tal voltará a acontecer. O que sabemos é que é necessário que nos mantenhamos vigilantes.
Este estudo foi liderado por Ricardo Ramalho, actualmente na Universidade de Bristol e contou com a participação dos investigadores portugueses José Madeira da Universidade de Lisboa, Rui Quartau do Instituto Português do Mar e da Atmosfera e Ana Hipólito da Universidade dos Açores.